Chef Paola Carosella dará curso de gastronomia para pessoas trans em SP - São Paulo São

Uma parceria entre a chef de cozinha Paola Carosella, seu sócio Benny Goldeberg, o Ministério Público do Trabalho em São Paulo (MPT-SP) e a Organização Internacional do Trabalho (OIT) vai oferecer capacitação profissional de travestis e homens e mulheres transsexuais em situação de vulnerabilidade.

A iniciativa que formará ajudantes de cozinha foi anunciada na última sexta-feira (10) em evento que reuniu representantes de empresas interessadas em ampliar a diversidade de seu quadro de funcionários, tais como Facebook, Univeler e Bradesco.

A primeira turma será composta por 25 homens e mulheres trans que participam do Transcidadania, projeto da prefeitura de São Paulo que acolhe pessoas trans em situação de vulnerabilidade.

O projeto é o início de outras iniciativas pensadas pelos organizadores. O logotipo, a identidade e o nome serão escolhidos pela chef Paola e sua primeira turma durante o curso.

De acordo com levantamento feito pela Articulação Nacional de Travestis e Transexuais (Antra), 90% das travestis e transexuais brasileiras se sustentam hoje por meio da prostituição.

É no mercado informal do sexo que travestis e transexuais passam a trabalhar assim que são expulsas de casas, geralmente aos 12 ou 13 anos, por conta de sua identidade de gênero. Nesse cenário, o projeto em São Paulo tenta estimular a empregabilidade dessa população.

Ao todo, a capacitação terá nove módulos, chamados de sessões de acolhimento. Por meio desses módulos, os alunos vão aprender a realizar tarefas básicas de uma cozinha de restaurante - incluindo o controle de resíduos, estocagem de alimentos e preparo de pratos básicos.

Instruções sobre questões técnicas e burocráticas de uma cozinha profissional também estão previstas no curso. De acordo com a jurada do MasterChef Brasil, as alunas vão aprender também vão aprender "o que é uma jornada de trabalho, o que se considera hora extra, como se lê um holerite".

Paola disse no evento que mais do que ministrar as aulas, ela quer fazer com que as pessoas sintam-se acolhidas e que possam ter ferramentas e oportunidades para crescer profissionalmente. Ao final do curso, Paola empregará os cinco melhores cozinheiros em seus restaurantes

Além das aulas com a chef argentina, os alunos vão contar também com workshops ministrados pela poeta e atriz Elisa Lucinda.

Salomão Cunha Lima, fundador do GAMES, grupo que discute diversidade e inclusão no mercado, esteve presente no evento e afirma: "Esse tipo de iniciativa precisa ser fortalecida com apoio das empresas e da mídia e servir de inspiração para outros setores da economia. Precisamos pensar em qualificação profissional para trans. Essas pessoas precisam ser inseridas na sociedade a partir do mercado de trabalho."

***
Por Amaury Terto do Huffpost Brasil.

 



-->