Websérie mostra a trajetória de 10 MCs mulheres de São Paulo - São Paulo São

A representatividade feminina tem crescido no hip hop, movimento de visibilidade negra e periférica. Muitas mulheres estão investindo em suas carreiras como MC, colocando em seus versos seus dias de luta.

Grupo de pesquisadoras retrata a vida de mulheres rappers em um ambiente predominantemente masculino. Foto: Mulheres de Fala / Reprodução.Grupo de pesquisadoras retrata a vida de mulheres rappers em um ambiente predominantemente masculino. Foto: Mulheres de Fala / Reprodução.

Pensando nessa ideia, a doutoranda em urbanismo Renata Allucci, a designer e pesquisadora de políticas públicas Fernanda Allucci e  Ketty Valencio, formada em biblioteconomia, escolheram 10 mulheres rappers residentes em São Paulo, apresentando o rap a partir da visão de MCs femininas, dentro de um universo predominantemente masculino.

A maneira como fizeram esse estudo é criativa: criaram uma websérie no YouTube chamada Mulheres de Palavra: Um Retrato das Mulheres do Rap de São Paulo. Serão 10 episódios que por meio de entrevistas contarão a trajetória de cada uma, os obstáculos sofridos e como é ser uma MC em um ambiente machista.

Imagem: Mulheres de Fala / Reprodução.Imagem: Mulheres de Fala / Reprodução.O projeto começou em março de 2016 e tem previsão para ser lançado em 5 de fevereiro. Conta com o apoio do governo do Estado de São Paulo e da Secretaria de Estado de Cultura e com o registro audiovisual de Ricardo Dutra e Samuel Malbon.

Ketty Valencio diz acreditar que o conteúdo é um grande passo para o combate contra o machismo. “O projeto é sobre as mulheres serem o que elas quiserem, e para os homens naturalizarem que ser mulher não é significado de inferiorização”, afirma.

Por Anna Laura Moura na Revista Cláudia.