Mirthes Bernardes: o último passeio da Dona da Calçada - São Paulo São

Nossa homenagem à criadora da calçada que virou símbolo de São Paulo, Mirthes Bernardes, que faleceu nesta sexta-feira (18 de dezembro de 2020. Foto: Rene de Paula / Flickr.Nossa homenagem à criadora da calçada que virou símbolo de São Paulo, Mirthes Bernardes, que faleceu nesta sexta-feira (18 de dezembro de 2020. Foto: Rene de Paula / Flickr.

No CalçadaSP estávamos animados com a conquista da Placa da Memória Paulistana para a nossa querida Mirthes Bernardes. A criadora do piso mais famoso da cidade de São Paulo está prestes a ganhar a sua plaquinha azul, consagrando um reconhecimento há tempos a ela devido.

O plano era simples: convidá-la a estar presente, no próximo dia 25 de janeiro – aniversário da cidade de São Paulo – para a instalação da placa. O local previsto é a calçada generosa da Avenida São Luís, no centro da cidade, onde as linhas e formas do mapa de São Paulo moldadas com as pedras portuguesas, ainda resistem ao cimento frio e cinza do novo padrão do passeio público da cidade.

A clássica padronagem por trás dos módulos que conformam graficamente o mapa do estado de São Paulo foi criado em 1966 pela arquiteta e artista Mirthes dos Santos Pinto. Foto: Eduardo Anizelli.A clássica padronagem por trás dos módulos que conformam graficamente o mapa do estado de São Paulo foi criado em 1966 pela arquiteta e artista Mirthes dos Santos Pinto. Foto: Eduardo Anizelli.

Lembro bem quando começamos a pesquisar sobre a origem do piso e nos deparamos com uma reportagem da Folha de S. Paulo em que o título bradava  "Era uma vez: paulistanos que resistem ao tempo". Porém, mesmo aquilo que resiste um dia acaba por encontrar seu fim. E a hora da nossa querida Mirthes chegou para ela aos 87 anos.

Quando entramos em contato há alguns anos, ela foi só generosidade. Passamos a trocar mensagens, e assim descobri sua aptidão para a arte além das calçadas. Ela me contou que sua especialidade era esmaltação em cobre e que tinha fascinação pelas árvores. Me enviou (digitalmente) uma de suas obras sobre o tema.

Ilustração enviada por Mirthes. Imagem: arquivo pessoal.Ilustração enviada por Mirthes. Imagem: arquivo pessoal.

Uma vez ela me disse que com o falecimento da irmã foi morar em Sorocaba com o sobrinho. Queria "alugar uma casinha, montar um ateliê e voltar a esmaltação, só pra viver mais um pouco e torcendo para o  Brasil vencer essa guerra de corruptos". Compartilhou comigo por inbox a publicação do seu perfil do Facebook onde mostra a sua sensibilidade para tratar de temas difíceis.

"A Ceia dos Catadores". Mirthes Bernardes, julho de 2020. Imagem: Reprodução / Facebook."A Ceia dos Catadores". Mirthes Bernardes, julho de 2020. Imagem: Reprodução / Facebook.

Mas a maior preciosidade que ela me deu foi a cópia (digital) de uma carta escrita a mão, onde ela traça o histórico da conquista do concurso do piso paulistano. Segundo ela, quando tentou patentear o desenho, um advogado sumiu com toda a documentação e ela teve que escrever a história de próprio punho para que não fosse esquecida. 

Carta de Mirthes Bernardes com a história do Concurso para piso paulistano. Imagem: Arquivo pessoal.Carta de Mirthes Bernardes com a história do Concurso para piso paulistano. Imagem: Arquivo pessoal.

Na última mensagem que trocamos, já durante a quarentena da pandemia, ela me disse: "Quando eu me instalar e essa praga acabar, quero que você venha aqui e traga seus amigos."

Nesta mesma mensagem, pedi que confirmasse a grafia do seu nome, para não ter erro na placa. Foi então que ela me explicou: 

Troca de mensagens entre Wans Spiess e Mirthes Bernardes. Imagem: Arquivo pessoal.Troca de mensagens entre Wans Spiess e Mirthes Bernardes. Imagem: Arquivo pessoal.

"Meu nome é Mirtes dos Santos Pinto (nome do meu pai) quando comecei a trabalhar com esmaltação em cobre, passei a usar o nome de minha mãe e aí coloquei o h também (Nos quadro eu assino Mirthes Bernardes).

A calçada que virou um símbolo de São Paulo

Qualquer pessoa que caminhe pelo centro (e pelos bairros) vê o trabalho da Dona Mirthes. Uma história para lá de curiosa. Nos anos 1960, Mirthes Bernardes era desenhista da Secretaria de Obras do município quando o prefeito Faria Lima lançou um concurso para escolher um padrão de piso para a capital paulista.

Croqui da proposta. Imagem: Mirthes dos Santos Pinto / Acervo Pessoal.Croqui da proposta. Imagem: Mirthes dos Santos Pinto / Acervo Pessoal.

E ela entrou na disputa. Rabisca daqui, rabisca dali… Considerou simples o contorno que tinha feito e não imaginava ficar entre os finalistas. Em 1965, a musa das calçadas paulistanas ainda não sabia que escrevia seu nome na história de São Paulo. A votação final foi feita com a aplicação dos desenhos na Av. da Consolação. Dá para imaginar a cena. Os outros concorrentes eram um desenho de grãos de café e o outro representava os pés caminhando. E… deu Mirthes na cabeça!

Foi uma festa. Desde então, os contornos que representam o mapa do estado de São Paulo passaram a simbolizar a maior cidade brasileira. Ou seja, um dos ícones mais conhecidos de SP é o desenho de uma calçada. E que desenho. Engenhoso e criativo. O calçamento ficou conhecido como “piso paulista” e primeiro chegou à Av. Faria Lima e depois à Av. Amaral Gurgel. Para ganhar aos poucos toda a cidade. Os ladrilhos iam sendo produzidos por vários fabricantes e sua presença na paisagem urbana cresceu.

Imagem: Cortesia de Mirthes dos Santos Pinto.Imagem: Cortesia de Mirthes dos Santos Pinto.

Foi além da calçada, tornando-se um padrão gráfico para os mais diferentes produtos. De camisetas a canecas. Fabricado em ladrilho hidráulico, o desenho é fácil de ser produzido e instalado. São apenas três peças quadradas que combinadas criam um padrão infinito. Uma peça é branca, outra peça é preta e a outra é preta e branca que se divide na diagonal. O efeito é magnífico. A oposição positivo/negativo revela um jogo de figura e fundo em que ora só se vê as formas brancas, ora as pretas. Genial.

Apesar do monumental sucesso, pelo que pesquisamos a Mirthes não ganhou um centavo com sua obra. Mas muita gente faturou em cima de sua criação. E ela, claro, deve se ressentir disso. Também pesquisamos sua paixão por São Paulo. Caminhar sobre suas calçadas geométricas deve ser uma experiência que a enche de orgulho. Pena que seu piso paulistano esteja tão maltratado atualmente. Poucas cidades do mundo têm um ícone cultural como esse para chamar de seu e deveríamos cuidar melhor dele.

A padronagem apresenta duas versões materiais, em lajota e pedra portuguesa seguindo o mesmo padrão de cores. Foto: ADBR.A padronagem apresenta duas versões materiais, em lajota e pedra portuguesa seguindo o mesmo padrão de cores. Foto: ADBR.

Mirthes Bernardes está longe de ser um rosto conhecido da multidão. Mas deve ter todo nosso respeito e gratidão. O CalçadaSP sempre quis – e continua querendo – ser mais uma voz para que seu legado seja preservado e prestigiado, e que os paulistanos saibam quem é ela.

À Dona Mirthes (Barretos, 1934 - São Paulo, 2020), todo nosso carinho e admiração. Em sua memória, continuaremos pavimentando caminhos.

Leia também: 

***
Wans Spiess, uma das fundadoras do CalçadaSP, é mestranda na FAU-Mack e Diretora de Relacionamento da Cidadeapé, onde lidera o projeto Ruas para Mobilidade Ativa na Pandemia pela instituição. Edição: São Paulo São.



APOIE O SÃO PAULO SÃO

Ajude-nos a continuar publicando conteúdos relevantes e que fazem a diferença para a vida na cidade.
O São Paulo São é uma plataforma que produz conteúdo sobre o futuro de São Paulo e das cidades do mundo.

bt apoio