Saiba como decifrar a numeração das linhas de ônibus - São Paulo São

User Rating: 0 / 5

O que as linhas de ônibus 8600 e 8605 têm em comum? Pouco. Ambas saem do centro de São Paulo, mas a primeira segue para Pirituba, na zona norte, e a segunda vai até o Campo Limpo, na zona sul. A distância entre os pontos finais é de 28 km, e elas não compartilham o trajeto em nenhum momento. 

Querer entender a numeração dos ônibus paulistanos é como tentar resolver um problema de lógica. 

A base das regras foi criada nos anos 1970, mas foi alterada diversas vezes nos últimos anos, embora os antigos trajetos permaneçam com a numeração da época em que surgiram. 

O projeto setentista para nomear as linhas era complexo e previa que a numeração deveria ser uma fonte de informação aos usuários. Os itinerários foram divididos em quatro categorias: radiais (bairro-centro), diametrais (ligam duas regiões distantes), inter-regional (conectam duas áreas vizinhas) e regionais (dentro de uma mesma região). 

Na época, a cidade foi separada em dez áreas e cada uma recebeu um número de 0 a 9. A base para essa divisão eram as principais avenidas da capital paulista. 

A área 2, por exemplo, correspondia à Radial Leste e aos bairros que eram acessados por meio dela. Assim, todos os itinerários que passavam pela via tinham a numeração iniciada pelo número 2. 

Essa divisão levou em conta a história da cidade: antes de se tornarem avenidas, esses traçados serviam como rotas de tropeiros que ligavam a vila de São Paulo até freguesias menores, como a da Penha ou de Santo Amaro. 

Elaborado pelo escritório de João Carlos Cauduro, criador dos totens da Paulista e da linguagem visual do metrô de São Paulo, o plano levou três anos para ser concluído e previa também um sistema de cores para identificar os ônibus e painéis de informações unificados nos pontos.

A proposta ficou pronta em 1976, mas nunca foi totalmente implantada, pois houve uma mudança de gestão na prefeitura. 

Nos anos 1980 e 1990, começaram a ser construídos corredores de ônibus, cujas linhas passaram a ter o final 00. Na gestão Marta Suplicy (2001-2004), a cidade foi dividida novamente em nove áreas (de 1 a 9). Assim, a região de Santana, que pertencia à área 1, passou a ser área 2. Mas a maioria das linhas que passa por lá ainda começa com 1. 

Para complicar, as linhas criadas a partir daí alternaram o padrão antigo com o novo. O terminal Pirituba, na área 1, foi aberto em 2003 com novas linhas que começavam com 8 e 9. 

Nos últimos anos, os novos trajetos criados misturam a numeração das áreas atuais com as regras que lembram as dos anos 1970. 


Procurada, a SPTrans não quis dar entrevista. A entidade, que gerencia os ônibus municipais, trabalha na redivisão das linhas, que prevê cinco conjuntos diferentes de itinerários: um para o horário de pico, outro para os domingos etc. O primeiro deles, já implantado, é o da madrugada, cujas linhas começam com a letra N (ex: N112). O órgão divulgou um estudo preliminar que prevê a divisão da cidade em 21 áreas e recupera conceitos do plano dos anos 1970, como o das linhas radiais. "Até o fim de 2016, será implantada uma padronização para os códigos das linhas", informou a empresa, em nota. Até lá, cada ônibus nas ruas continuará trazendo uma charada.

***
Rafael Balago na Folha de S.Paulo.