Viver em bairros mais verdes, é bom para a saúde do cérebro dos idosos, diz estudo - São Paulo São

O contato com áreas verdes é conhecido por ter efeitos benéficos para a saúde mental. Um novo estudo do Instituto de Barcelona para a Saúde Global (ISGlobal), um centro apoiado pela Fundação “la Caixa”, sugere que ele também pode desempenhar um papel positivo contra o declínio cognitivo em idosos.

Dados mostram que o declínio no escore cognitivo, após o seguimento de 10 anos, foi 4,6% menor em participantes que vivem em bairros mais verdes. Foto: Shuterstock.Dados mostram que o declínio no escore cognitivo, após o seguimento de 10 anos, foi 4,6% menor em participantes que vivem em bairros mais verdes. Foto: Shuterstock.

Em particular, esta pesquisa, publicada no Environmental Health Perspectives, mostra que a perda de funções cognitivas esperadas como parte do processo de envelhecimento é um pouco mais lenta em pessoas que vivem em bairros mais verdes.

Os pesquisadores realizaram um acompanhamento de 10 anos de 6.500 pessoas com idade entre 45 e 68 anos da análise de corte Whitehall II no Reino Unido. Em três momentos diferentes durante o curso do estudo, os participantes completaram uma bateria de testes cognitivos que avaliaram seu raciocínio verbal e matemático, fluência verbal e memória de curto prazo, bem como o declínio nessas funções. A área verde de vizinhança para cada participante foi estimado usando imagens de satélite.

A perda de funções cognitivas esperadas como parte do processo de envelhecimento é um pouco mais lenta em pessoas que vivem em bairros mais verdes.Imagem: ISGlobalA perda de funções cognitivas esperadas como parte do processo de envelhecimento é um pouco mais lenta em pessoas que vivem em bairros mais verdes.Imagem: ISGlobal“Há evidências de que o risco de demência e declínio cognitivo pode ser afetado pela exposição a riscos ambientais relacionados a áreas urbanas (como poluição do ar e ruído) e estilo de vida (como estresse e comportamento sedentário). Em contraste, viver perto de espaços verdes tem o potencial para aumentar a atividade física e o apoio social, reduzir o estresse e mitigar a exposição à poluição do ar e ao ruído. Evidências recentes mostram benefícios cognitivos da exposição espaço verde em crianças , mas estudos sobre as possíveis relações de exposição a espaços verdes e declínio cognitivo em adultos mais velhos ainda são muito escassos e muitas vezes têm resultados inconsistentes ”, diz Carmen de Keijzer , pesquisador ISGlobal e primeiro autor do estudo.

“Nossos dados mostram que o declínio no escore cognitivo, após o seguimento de 10 anos, foi 4,6% menor em participantes que vivem em bairros mais verdes . Curiosamente, as associações observadas foram mais fortes entre as mulheres, o que nos faz pensar que essas relações podem ser modificadas por gênero ”, acrescenta Carmen de Keijzer.

 Viver perto de espaços verdes tem o potencial para aumentar a atividade física e o apoio social, reduzir o estresse e mitigar a exposição à poluição do ar e ao ruído. Foto: Shutterstock. Viver perto de espaços verdes tem o potencial para aumentar a atividade física e o apoio social, reduzir o estresse e mitigar a exposição à poluição do ar e ao ruído. Foto: Shutterstock.

“A proporção de pessoas com mais de 60 anos no mundo deverá quase duplicar entre 2015 e 2050 e prevê-se que o número de casos de demência cresça a um ritmo semelhante em todo o mundo. Embora as diferenças no declínio cognitivo observadas em nosso estudo sejam modestas no nível individual , elas se tornam muito mais significativas se considerarmos esses achados em nível populacional ”, diz Payam Dadvand , pesquisador do ISGlobal e último autor do estudo. “Se confirmado por estudos futuros, nossos resultados podem fornecer uma base de evidências para a implementação de intervenções direcionadas destinadas a desacelerar o declínio cognitivo em idosos residentes em áreas urbanas e, portanto, melhorar sua qualidade de vida”, acrescenta.

Referência
de Keijzer C., Tonne C., Basagaña X., Valentín A., Singh-Manoux A., Alonso J., Antó J.M., Nieuwenhuijsen M., Sunyer J., Dadvand P. Residential Surrounding Greenness and Cognitive Decline: A 10-Year Follow-up of the Whitehall II Cohort. Environmental Health Perspectives, 2018. https://ehp.niehs.nih.gov/ehp2875/

***
Fonte: Barcelona Institute for Global Health (ISGlobal).*Tradução de Henrique Cortez, EcoDebate.



APOIE O SÃO PAULO SÃO

Ajude-nos a continuar publicando conteúdos relevantes e que fazem a diferença para a vida na cidade.
O São Paulo São é uma plataforma que produz conteúdo sobre o futuro de São Paulo e das cidades do mundo.

bt apoio





 
 
APOIE O SÃO PAULO SÃO

Ajude-nos a continuar publicando conteúdos relevantes e que fazem a diferença para a vida na cidade.
O São Paulo São é uma plataforma que produz conteúdo sobre o futuro de São Paulo e das cidades do mundo.

bt apoio