E se as cidades se transformassem em pomares urbanos? - São Paulo São

No final do verão, os residentes de Copenhague poderão colher framboesas aquecidas pelo sol nos limites da cidade, onde a expansão urbana dá lugar a florestas. Foto: Vild Mad.No final do verão, os residentes de Copenhague poderão colher framboesas aquecidas pelo sol nos limites da cidade, onde a expansão urbana dá lugar a florestas. Foto: Vild Mad.

Já pensou parar numa rua ou num parque para colher uma maçã ou uma amora? Esta é a realidade dos habitantes de Copenhage, capital da Dinamarca. A cidade passou a plantar árvores frutíferas em áreas públicas como parques ou praças, numa tentativa de reforçar os laços entre as pessoas e a Natureza.

A cidade de Copenhage assume o plantio de árvores frutíferas como uma forma de dar aos seus habitantes a oportunidade de usufruirem mais da natureza enquanto descobrem o sabor de uma pedaço de fruta que acaba de ser colhida. Para Astrid Aller, vereadora da cidade, o “pomar urbano interativo é uma forma de ligar os moradores às suas comunidades”. A tendência é particularmente forte na Dinamarca, onde a "nova cozinha nórdica", um estilo culinário focado em ingredientes locais da Escandinávia, tem encorajado os moradores a procurar ingredientes em seus próprios quintais.

Um aplicativo mostra quais itens comestíveis estão próximos de acordo com a paisagem. Foto: Vild Mad.Um aplicativo mostra quais itens comestíveis estão próximos de acordo com a paisagem. Foto: Vild Mad.

"A, forragem, ou busca por alimentos, conecta as pessoas com o que as cerca", diz Mikkel-Lau Mikkelsen, gerente de programa da Vild Mad, uma organização que educa as pessoas sobre os benefícios ecológicos e gastronômicos dessa procura. Ela foi lançada pelo famoso chef René Redzepi, por trás do restaurante Noma de Copenhague, e um dos cérebros da nova cozinha nórdica. "É a melhor maneira de realmente experimentar o que a natureza proporciona: prová-la".

O projeto é impulsionado por um aplicativo chamado “Vild Mad” (que em português significa comida selvagem). mostra quais itens comestíveis estão próximos de acordo com a paisagem. Também há instruções (em dinamarquês e inglês) sobre como comê-los e cozinhá-los, incluindo algumas receitas. Além disso, você pode registrar suas aventuras de coleta e anotar o que encontrar. São ainda disponibilizadas todas as informações relevantes sobre a iniciativa o que inclui um site e um aplicativo, um currículo para as escolas dinamarquesas e oficinas de busca de alimentos conduzidas por cinqüenta guardas-parques de todo o país. 

O chef René Redzepi, por trás do restaurante Noma de Copenhague, e um dos cérebros da nova cozinha nórdica. Foto: The Economist. O chef René Redzepi, por trás do restaurante Noma de Copenhague, e um dos cérebros da nova cozinha nórdica. Foto: The Economist.

A aposta da Dinamarca na plantação de árvores frutíferas é uma tradição que remonta à Idade Média. Já nessa época era permitido colher, sem qualquer custo, as frutas das árvores espalhadas pelo país.

***
Fontes: Greensavers e Concret Playground.



APOIE O SÃO PAULO SÃO

Ajude-nos a continuar publicando conteúdos relevantes e que fazem a diferença para a vida na cidade.
O São Paulo São é uma plataforma que produz conteúdo sobre o futuro de São Paulo e das cidades do mundo.

bt apoio





 
 
APOIE O SÃO PAULO SÃO

Ajude-nos a continuar publicando conteúdos relevantes e que fazem a diferença para a vida na cidade.
O São Paulo São é uma plataforma que produz conteúdo sobre o futuro de São Paulo e das cidades do mundo.

bt apoio