'São Paulo quer a rua' diz a urbanista Raquel Rolnik - São Paulo São

User Rating: 0 / 5


No pique de um final de semana animado na região central da cidade, com diversos eventos em espaços públicos, o Kakaos fez três perguntas para Raquel Rolnik, uma das mais respeitadas urbanistas do país.

Tivemos um final de semana diferente, com diversos eventos em espaços públicos como a abertura do Mirante 9 de Julho e grande circulação na Av. Paulista, que foi fechada para carros. Qual o impacto disso na cidade?

RR: Tenho dito que SP está vivendo uma epidemia de amor pelo espaço público. A população está pedindo por isso. Podemos comparar essa iniciativa ao que aconteceu em Nova York com a Times Square, por exemplo. Toda mudança gera alguma resistência, houve polêmica, mas hoje o fato dela ficar fechada com mesas e cadeiras de praia já foi absolutamente absorvido pela população. Por lá, o processo de implementação de ciclovias, por exemplo, passou por muitos percalços. Elas foram feitas, desfeitas, refeitas e isso é normal. O que acontece quando você vai pra rua é que as pessoas passam a pensar a cidade na qual querem viver, suas possibilidades.

O que você acha que impulsionou essa vontade do paulistano de aproveitar os espaços públicos?

RR: São Paulo está caminhando em uma direção diametralmente oposta ao rumo que a cidade tomava há duas décadas. Há pouco tempo ela crescia favorecendo a construção de shoppings, as pessoas queriam viver em condomínios, o sistema viário era pensado para o transito de carros. Hoje há uma predominância de jovens na nossa população e essa bolha jovem tem muita disposição. Há uma transformação da cultura urbana puxada por essa juventude atenta ao que ocorre no resto do mundo. Coletivos culturais, movimentos cicloativistas etc… Além disso há um fenômenos climático interessante. São Paulo não é mais a terra da garoa, nunca foi tão quente e isso da mais vontade de ficar ao ar livre. E por último temos agora uma prefeitura que captou esse desejo e procurou dar uma respostas. Agora basta ver sua capacidade de permanência e manutenção desses equipamentos.

Para quem mora na periferia o lugar de lazer sempre foi a rua por simples falta de opção. Falta de espaços para lazer e também dentro de casa. Você acha que essa imagem atrapalha o cara que mora em condomínio, só anda de carro blindado e só pratica lazer no seu clube a entrar nesse movimento? 

RR: Com certeza. O Brasil tem a base de uma sociedade escravocrata. A resistência por aqui tem relação com o recorte de classe. A rua pressupõe uma heterogeneidade que não existe nesses espaços fechados. É uma mentalidade muito diferente da de países europeus, por exemplo, que entendem a riqueza desse intercâmbio. Aqui, esse cara que vive isolado não quer mesmo se misturar com gente de outra classe, ele quer viver na bolha, ele é aquele tipo que não gosta de ver pobre num vôo da Gol, por exemplo, e a rua não é assim, a rua é pra todos. E isso ainda vai demorar muito para mudar.

Katia Lessa no Kakaos