Vem aí novo edital para ampliar o sistema de bicicletas compartilhadas - São Paulo São


O sistema de empréstimos de bicicletas da capital paulista deve passar por mudanças nos próximos meses. De acordo com a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), até 2024 o sistema deve ser expandido e integrado com o transporte público, permitindo a instalação de estações de bicicletas nas estações do metrô. “A negociação com o governo do Estado já está bem avançada, mas decidimos fazer antes os ajustes no sistema para dar sequência ao projeto com a Companhia do Metrô”, explicou a arquiteta Suzana Nogueira, coordenadora de Planejamento Cicloviário da CET.

No entanto, foi suspensa no último dia 13 de agosto pelo Tribunal de Contas do Município (TCM) a seleção da empresa que, junto com a administração pública, faria a instalação e manutenção dos pontos de bike sharing. A alegação do conselheiro Edson Simões é que não houve tempo suficiente para análise dos argumentos de uma representação enviada por uma empresa.

A assessoria da CET informou que um novo edital para o chamamento público, que definirá a empresa vencedora através de licitação, está sendo produzido. Ainda não há data de lançamento da concorrência pública.

Bike Sampa
 

Atualmente dois sistemas de empréstimos de bike funcionam na cidade, sendo necessário um cadastro prévio para utilização das bicicletas. O mais antigo é o projeto Bike Sampa, do banco Itaú, que foi lançado em 2012. As bicicletas e estações são operados pela empresa Samba/Serttel.

O projeto Bike Sampa iniciou a integração com o Bilhete Único em Janeiro de 2014. Em outubro do mesmo ano registrou um aumento médio mensal de 60% no cadastro Bike Sampa associado ao Bilhete do transporte municipal. Atualmente, duas mil viagens são realizadas por dia.

Estações com maior número de viagens
 

As estações que apresentam o maior número de viagens são aquelas onde o ciclista pode usar a bicicleta junto com o sistema de transporte, reforçando a ideia de intermodalidade nos deslocamentos. As estações próximas ao metrô Faria Lima, Vila Mariana, Brigadeiro e Shopping Eldorado são os pontos com maiores número de viagens. Além destes pontos, as estações Pedroso Alvarenga, João Cachoeira, Praça Roosevelt, Parque Ibirapuera portões 5, 6 e 9 e Parque do Povo também estão na lista com maior movimento.

Bairros atendidos pelo Bike Sampa são: Água Rasa, Água Branca, Alto de Pinheiros, Barra Funda, Bela Vista, Belém, Belenzinho, Bom Retiro, Brás, Brooklin Novo, Campo Belo, Campos Elíseos, Carrão, Chácara Itaim, Cidade Monções, Consolação, Itaim Bibi, Jd. América, Jd. Edith, Jd. Europa, Jd. Paulista, Jd. Paulistano, Jd. Lusitânia, Moema, Mooca, Pacaembu, Paraíso, Penha, Pinheiros, Perdizes, República, Santa Cecília, Sé, Sumarezinho, Tatuapé, Vila Aricanduva, Vila Clementino, Vila Formosa, Vila Mariana, Vila Madalena, Vila Matilde e Vila Olímpia.

CicloSampa

Além do projeto do banco Itaú, o CicloSampa, da Bradesco Seguros, foi inaugurado em 2013 e mantém 149 bicicletas, distribuídas em 18 estações. O projeto ainda disponibiliza bicicletas aos domingos na Avenida Paulista, na Praça do Ciclista, sem que o usuário tenha que ser cadastrado.

Bairros atendidos pelo CicloSampa: Cerqueira Cesar, Jardim Paulista, Jardim Europa, Moema, Paraíso, Pinheiros, Itaim Bibi e Vila Olímpia.

Bike Sampa em números
 
- 1,2 milhão de viagens foram realizadas;
- 515 mil usuários cadastrados;
- 3.200.000 km percorridos por meio das bicicletas do sistema (equivalente a 81 voltas ao mundo);
- 465 toneladas de CO2 não emitidos à atmosfera (465 créditos de carbono).

Fonte: Vá de Bike.

 



APOIE O SÃO PAULO SÃO

Ajude-nos a continuar publicando conteúdos relevantes e que fazem a diferença para a vida na cidade.
O São Paulo São é uma plataforma que produz conteúdo sobre o futuro de São Paulo e das cidades do mundo.

bt apoio