Conexões - São Paulo São

São Paulo São Conexões

São Paulo São  promove encontro e experiências de boa convivência com atrações culturais, musicais e gastronômicas. Foto: Ricardo Martirani.São Paulo São promove encontro e experiências de boa convivência com atrações culturais, musicais e gastronômicas. Foto: Ricardo Martirani.

Nos próximos dias 16 e 17 de Outubro, o São Paulo São promove evento para valorizar a criatividade no bairro e a interação com os moradores da região de Perdizes. A iniciativa integra o projeto São Conexões da marca, inspirado no conceito da "Cidade em 15 minutos”, nascido em Paris.

O evento 'São Paulo São Conexões convida Perdizes' acontecerá ao ar livre e vai oferecer um espaço de experiências de boa convivência com atrações culturais, musicais e gastronômicas para os moradores e visitantes da região de Perdizes, na zona oeste de São Paulo. O encontro, uma iniciativa do Portal São Paulo, com o apoio da Tegra Incorporadora e da Construtora Paulo Mauro, acontecerá em espaço aberto, na Rua Bartira, 856, ao lado do estande do empreendimento imobiliário 'Ode Perdizes'.

O encontro

Projeção em 3D do espaço que vai acolher o encontro. Imagem: Estúdio D6.Projeção em 3D do espaço que vai acolher o encontro. Imagem: Estúdio D6.

O projeto São Conexões vai oferecer aos moradores do bairro de Perdizes, dois dias de muitas experiências e boa convivência incluindo visitantes e turistas, não sendo apenas restrito aos moradores da região.

Segundo Mauricio Machado, o idealizador do projeto, "O São Conexões, como o próprio nome aponta, quer impulsionar os vínculos saudáveis e produtivos em São Paulo, por meio de seus energéticos e ricos centros de produção de cultura, valores, ideais e produtos: os bairros. Promovendo o envolvimento de empreendedores criativos, empresas e cidadãos com causas e negócios em seus bairros, será possível ajudar a potencializar a economia e o turismo em várias regiões da metrópole." Diz ele, sugerindo a continuidade das ações em outros bairros da capital.

Atrações

O Caiubier, boteco boêmio participa do encontro com saboroso menu.O Caiubier, boteco boêmio participa do encontro com saboroso menu.

Além das atrações gastronômicas - comida de boteco, receitas de família, gastronomia regional - que serão oferecidas pelos restaurantes e bares do bairro, o morador / visitante, terá contato com ação exclusiva do coletivo urbano Calçada SP que promoverá experiências que estimulam a reflexão sobre a forma como ocupamos e cuidamos do espaço público valorizando as calçadas.

Olhar apreciativo para incentivar o caminhar e a ocupação da cidade. Imagem: Instagram.Olhar apreciativo para incentivar o caminhar e a ocupação da cidade. Imagem: Instagram.

No mesmo espaço, profissionais da Side Walk Talk - Conversas nas Calçadas - capítulo brasileiro da ONG californiana, que através da escuta ativa promove conexões e empatia nos espaços públicos, estarão à disposição dos presentes para boas conversas no sábado e domingo das 11h às 17h.

Equipe de voluntários busca criar espaços de escuta para humanizar as cidades. Foto: Luiz  Alfredo Santos.Equipe de voluntários busca criar espaços de escuta para humanizar as cidades. Foto: Luiz Alfredo Santos.

Na trilha sonora, a DJ Adriana Arakake, moradora da região - vai embalar o evento e oferecerá uma playlist especial, disponível para os visitantes que vão eleger as 10 músicas de sua preferência.

A DJ Adriana Arakake . Foto: Divulgação.A DJ Adriana Arakake . Foto: Divulgação.Na ocasião, nos telões do evento, serão exibidos filmes da campanha "Bairros São conexões - Perdizes" com depoimentos de moradores que traduzem o bairro no que ele tem de melhor e especial. 

Os visitantes terão ainda a oportunidade de conhecer o novo player de mobilidade que está sendo lançado em São Paulo: a Davinci, nova marca de patinetes elétricos (e-scooter) de alta qualidade, feitos especialmente para deslocamento urbano.

Davinci, um novo patinete elétrico para a cidade. Imagem: Divulgação.Davinci, um novo patinete elétrico para a cidade. Imagem: Divulgação.O São Conexões é um oferecimento da Tegra Incorporadora. Conta com o apoio da FAAP - Fundação Armando Álvares Penteado, Pro Coletivo e Visite São Paulo. 

Serviço

São Paulo São Conexões convida Perdizes
Rua Bartira, 856 - Perdizes, São Paulo - Capital.
Ao lado do estande do empreendimento 'Ode Perdizes' (próximo da Avenida Sumaré).
Datas: 16 e 17 de Outubro - Sábado e Domingo.
Período: 11h a 17h.
O evento é pet friendly, amigável para bikers e acolhedor para crianças, seguindo os protocolos de segurança sanitária / covid 19.
Entrada grátis.

***
Da Redação.

O estudo ouviu mais de 9.500 habitantes de 13 cidades e mostrou que andar a pé foi a modalidade que se tornou mais popular no período. Foto:  Robert Miller / The Washington Post.O estudo ouviu mais de 9.500 habitantes de 13 cidades e mostrou que andar a pé foi a modalidade que se tornou mais popular no período. Foto: Robert Miller / The Washington Post.

O uso de transportes sustentáveis, como bicicletas, patinetes e caminhadas, foi reforçado no mundo desde o ano passado, em consequência da pandemia de covid-19. No Dia Mundial sem Carro, celebrado nesta quarta-feira (22), estudo mostra que andar a pé foi a modalidade que se tornou mais popular no período, com 78 pontos de satisfação em uma escala de zero a 100.

De acordo com o estudo Mobility Futures 2021: The Next Normal, da empresa de consultoria Kantar Insights, o maior aumento foi observado na Europa, onde houve incremento de 4,8% entre 2019 e 2020. O uso de bicicletas e patinetes também mostrou alta de 3% no mundo.

O uso de veículos coletivos teve queda. Transportes públicos, como ônibus e metrôs, tiveram redução global de 5,6% porque, apesar de contribuírem para o controle de poluentes, não são boas opções em um contexto de pandemia, já que aumentam o risco de contágio, informou a Kantar. Isso foi observado especialmente em São Paulo, onde as pessoas disseram não se sentir confortáveis usando transportes públicos, com medo da contaminação. Do mesmo modo, as iniciativas de compartilhamento de carros caíram 2,2%.

Para que a utilização de transportes coletivos aumente, é preciso que a pandemia “esteja, no mínimo, sob controle”, disse Luciana Pepe, gerente de Atendimento Sênior da Kantar Insights. “As pessoas desejam uma viagem que seja confiável, rápida, segura, que seja acessível dentro da cidade onde elas moram. Então, qualquer medida que apoie algum desses fatores vai ajudar a melhorar essa preferência pelos meios de transporte, sejam públicos ou mais alternativos, como a bicicleta e andar a pé”. É preciso, contudo, que os governos e iniciativa privada garantam segurança para os pedestres nas ruas e para os ciclistas, nas ciclovias, além de avanço tecnológico na questão da mobilidade, para ganhar maior confiança da população. Eles têm que caminhar juntos nessa mesma direção”, afirmou Luciana.

Desafio

Foto: .Transport for London.Foto: .Transport for London.

O estudo mostra ainda que os automóveis continuam sendo o maior desafio em relação à mobilidade. “As longas distâncias e uma cultura que tem o veículo como principal meio de transporte, aliadas às medidas de distanciamento social e ao risco de contágio, fizeram com que o uso de automóveis crescesse 3,8%”. Aqui, o crescimento se refere ao uso do carro como motorista ou como passageiro.

O estudo ouviu mais de 9.500 habitantes de 13 cidades: Berlim e Munique (Alemanha), Bruxelas (Bélgica), Chicago e Nova York (Estados Unidos), Copenhague (Dinamarca), Londres (Inglaterra), Madri (Espanha), Milão (Itália), Mumbai (Índia), Paris (França), Pequim (China) e São Paulo (Brasil).

No caso de São Paulo, Luciana Pepe destacou que foi observada grande abertura das pessoas para usar diferentes meios de transporte para ir e vir do trabalho e nos deslocamentos por lazer. “A gente está falando de táxi, motocicleta, compartilhamento de carro. Tudo o que pode melhorar o deslocamento diário das pessoas acaba sendo bem-vindo”. Percebeu-se ainda muita semelhança de São Paulo com cidades de rápido desenvolvimento, como México e Mumbai, cuja infraestrutura não acompanha o desenvolvimento das populações, acarretando problemas de poluição do ar, congestionamento nas ruas e estradas, e transportes públicos no limite, com atrasos e falta de capilaridade.

Recuperação

Foto: Getty Images.Foto: Getty Images.Dados da Associação Brasileira do Setor de Bicicletas (Aliança Bike) revelam que apesar da pandemia, o ano de 2020 trouxe bons resultados para o mercado de bicicletas, com média de 50% de aumento nas vendas em comparação ao ano anterior. Segundo disse à Agência Brasil o diretor executivo da Aliança Bike, Daniel Guth, a forma de lidar com a pandemia acabou por favorecer o uso da bicicleta. “Como as pessoas precisavam manter a atividade física e queriam evitar as aglomerações, a bicicleta acabou se tornando um dos elementos importantes para viabilizar nossa vida. Por isso, ela ganhou tanto destaque no mundo inteiro”.

No primeiro semestre de 2021, não foi diferente. O Brasil teve expansão média de 34,17% nas vendas das bikes em relação ao mesmo período do ano passado. E a tendência continua para o resto do ano. “A procura continua muito alta”. Guth observou, porém, que desde o segundo semestre de 2020 para cá, ainda são muitos os problemas de fornecimento de insumos para a montagem de bicicletas no Brasil. O mercado ainda não normalizou a entrega de muitos componentes para fazer face à demanda. “Tem muita gente em lista de espera pela bicicleta de modelo específico. Em alguns casos, é preciso esperar semanas e até meses”, disse o diretor.

A perspectiva até o final de 2021 é ter ainda uma procura elevada, bem mais alta do que no momento pré-pandemia, “mas talvez não tão alta como o consolidado do ano passado inteiro”. O diretor da Aliança Bike destacou que no primeiro semestre de 2020, o setor sofreu impacto do fechamento das lojas nos meses de março e abril, além do consumo represado das famílias e do fechamento das fábricas na Ásia. Mesmo assim, o mercado começou a se recuperar a partir de maio, registrando pico nas vendas em julho, que mostrou crescimento de 118% sobre o mesmo mês de 2019. “Julho foi o pico”, comentou Guth. Em julho, os estoques acabaram e a partir de agosto, o mercado começou a ter problemas de entrega de produtos para os clientes.

Importação e emprego

Foto: Diário de Notícias.Foto: Diário de Notícias.

Em 2021, a situação está bem melhor para o comércio varejista do setor. No primeiro semestre deste ano, foram US$ 199,5 milhões de recursos envolvidos no comércio exterior, somando exportação e importação, número 122% superior ao do mesmo período do ano passado. É o maior volume desde o início da série histórica em 2010. Daniel Guth revelou que componentes principais de uma bicicleta, como freio, câmbio e quadro, tiveram aumentos entre 150% e 200% na importação. “Este é um ano de recuperação do que nós perdemos no segundo semestre do ano passado. Muita gente está acelerando a montagem e a importação para atender a quem está em fila de espera. São praticamente vendas que já ocorreram”.

O incremento observado nas vendas do setor se refletiu também no mercado de trabalho. Em 2020, foram criados no comércio varejista do país 1.119 novos empregos formais. Em 2021, até julho, as novas vagas com carteira assinada somaram 1.259 no Brasil. Ele informou que no estado de São Paulo, considerando um ano e meio de pandemia, os empregos com carteira assinada no comércio varejista de bicicletas subiram 18%, de acordo com o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged).

O estado que registrou o maior incremento em termos de novos empregos, no período, foi o Paraná (32%), seguido de Mato Grosso do Sul e do Tocantins (30% cada). O setor, no Brasil, contabiliza mais de 14 mil empregos formais diretos, totalizando quase 9 mil lojas especializadas.

Origem

O Dia Mundial sem Carro é celebrado em 22 de setembro. A data foi criada na França em 1997, e passou a ser adotada em vários países do continente no ano 2000. O objetivo é estimular a reflexão a respeito do uso excessivo de automóveis e fazer as pessoas experimentarem meios de deslocamento alternativos, menos poluentes e mais sustentáveis.

No Brasil, o movimento chegou em 2001, envolvendo 11 cidades: Porto Alegre, Caxias do Sul e Pelotas (RS); Piracicaba (SP); Vitória (ES); Belém (PA); Cuiabá (MT), Goiânia (GO); Belo Horizonte (MG); Joinville (SC) e São Luís (MA). Na capital paulista, as atividades começaram em 2003.

***
Por Alana Gandra da Agência Brasil.

 

O conselho municipal apresentou um conjunto de prioridades de planejamento urbano para que os madrilenos possam avançar. Foto: Sergio Perez / Reuters.O conselho municipal apresentou um conjunto de prioridades de planejamento urbano para que os madrilenos possam avançar. Foto: Sergio Perez / Reuters.

Em 30 de junho, legisladores em Madrid anunciaram suas intenções de aprovar atualizações nas regras de planejamento da cidade que irão “adaptar a cidade ao século 21”, segundo o governo. O vice-prefeito Begoña Villacís chamou os planos de "a atualização mais ambiciosa dos últimos 24 anos".

A capital da Espanha tem desfrutado de relativa estabilidade econômica nos últimos anos, embora ainda enfrente muitos dos mesmos desafios de áreas densamente povoadas: aumento dos aluguéis, ruas congestionadas, acesso insuficiente a áreas verdes. E, claro, Madrid não escapou ilesa da pandemia. Depois de enfrentar alguns dos piores surtos de Covid-19 do país e várias rodadas de confinamento, as autoridades locais estão agora focadas em reabrir a economia com segurança. A taxa de desemprego da cidade aumentou em 2020, mas tem caído constantemente este ano. O conselho municipal apresentou um conjunto de prioridades de planejamento urbano para que os madrilenos possam seguir adiante. 

Tornando a habitação mais confortável

Foto: Getty Images.Foto: Getty Images.

Em seu discurso, Villacís reconhece como a pandemia aumentou a importância de ter casas confortáveis ​​e habitáveis, e se comprometeu com novas regulamentações que redefiniriam os padrões de conforto para residências e colocariam ênfase em espaços ao ar livre, como varandas e pátios. Um estudo recente descobriu que Madrid tem o maior número de apartamentos internos disponíveis em seu mercado imobiliário em comparação com o resto da Espanha, o que significa que muitos apartamentos não têm acesso fácil a espaços ao ar livre. Madrid ainda não definiu as atualizações em seus códigos de habitação, mas podem surgir medidas recentes aprovadas pelo governo basco exigindo que as novas casas construídas na região incluam uma varanda.


O prefeito José Luis Martínez-Almeida também anunciou durante a reunião que a cidade investirá € 180 milhões ($ 214 milhões) em um projeto para construir cerca de 1.200 unidades de habitação pública nos próximos meses para residentes de baixa renda e outros grupos mais vulneráveis ​​como famílias monoparentais e idosos. Isto se soma a vários outros projetos de revitalização e novas construções que já estão em andamento. “Somos a maior construtora de moradias públicas da Espanha”, disse o prefeito sobre a prefeitura.

Incentivar uso de mais residências compartilhadas

Villacís reconhece como a pandemia aumentou a importância de ter casas confortáveis ​​e habitáveis. Foto: Getty Images.Villacís reconhece como a pandemia aumentou a importância de ter casas confortáveis ​​e habitáveis. Foto: Getty Images.

Os espaços de co-living em estilo dormitório, onde unidades individuais compartilham cozinhas e áreas comuns, ganharam popularidade nos últimos anos. Villacís diz que regulamentará esses tipos de moradias de uma forma que os incentive a proliferar. Em junho, a prefeitura de Madrid aprovou um novo projeto de co-living no bairro de Barajas, próximo ao aeroporto. O edifício incluirá mais de 70 unidades a preços acessíveis, bem como 25 apartamentos destinados a serem “espaços intergeracionais” que incentivam a convivência para pessoas em todas as fases da vida.
 
Limitar os aluguéis de temporada como Airbnb, VRBO, HomeAway e Wimdu
 
Villacís também propôs um novo regulamento para aluguel turístico, que tem sido uma fonte de disputa por seu impacto no mercado geral de aluguel na cidade. Madrid tem o maior número de apartamentos para aluguel por temporada de curta duração na Espanha, superando Barcelona, ​​que também teve seus problemas com o mercado do Airbnb. Embora o mercado tenha diminuído um pouco por causa da pandemia, há quase 1,5 milhão de quartos para turistas disponíveis em toda a cidade. Em 2019, o governo municipal emitiu uma norma dizendo que apartamentos sem entrada privativa não podiam ser oferecidos para locação por temporada, tornando mais difícil para um único proprietário de um prédio alugar uma unidade. A mudança foi parte dos esforços contínuos da cidade para conter o mercado de aluguel de curto prazo. Qualquer nova atualização no código da cidade provavelmente tornará mais rigorosas essas regras sobre quais apartamentos podem ser alugados.
 
Tornar as ruas mais habitáveis ​​para as pessoas, não para os carros

Madrid tem priorizado cada vez mais os pedestres em vez dos veículos em suas ruas nos últimos anos. Foto: Pierrot Heritier.Madrid tem priorizado cada vez mais os pedestres em vez dos veículos em suas ruas nos últimos anos. Foto: Pierrot Heritier.

As grandes ruas de Madrid também podem ser revitalizadas com as novas propostas. Villacís disse que quer iniciar projetos que vão “trazer vida” de volta às ruas, incluindo novos espaços para lojas e assim promover o comércio local e atividades de lazer. Bairros de Madri como Las Tablas, Sanchinarro e El Cañaveral estão todos centralizados em torno de largas avenidas que acomodam pedestres com áreas verdes e também carros nas ruas. Como Barcelona e outras cidades da Europa, Madrid tem priorizado cada vez mais os pedestres em vez dos veículos em suas ruas nos últimos anos. Em 2018, o governo bloqueou o acesso de todos os veículos não residentes no centro da cidade.


***
Por Camille Squires na Quartz (Inglês).

O novo distrito da cidade parece destinado a ser cheio de atividades que unirão a comunidade. Foto: Broekman and Akro.O novo distrito da cidade parece destinado a ser cheio de atividades que unirão a comunidade. Foto: Broekman and Akro.

Mesmo para os padrões holandeses, a cidade de Utrecht é incrivelmente adequada para ciclistas e pedestres, mas há planos para torná-la ainda mais adequada.

Considerando que em grande parte do restante da cidade os motoristas são tratados como convidados em “fietstraats” - ou ciclovias -, quase não haverá nenhum carro no distrito de Merwede, que logo será reconstruído; lojas, escolas e outras amenidades estarão a uma curta caminhada, e o centro de Utrecht, um quilômetro ao norte, estará a uma curta distância de bicicleta.

O estilo de vida basicamente livre de carros na Holanda tem, obviamente, a ver com o amor dos holandeses por bicicletas. Ilustração: Marco Broekman and Okra.O estilo de vida basicamente livre de carros na Holanda tem, obviamente, a ver com o amor dos holandeses por bicicletas. Ilustração: Marco Broekman and Okra.

Um plano de desenvolvimento urbano para transformar radicalmente um parque industrial à beira do canal que atravessa o centro da cidade de Utrecht, foi elaborado em conjunto com dez proprietários de terrenos.

O plano, negociado com os habitantes locais, prevê que num local de 60 acres (aproximadamente 243 mil metros quadrados) será implantado um subúrbio denso e ecológico sem carros até 2024. O projeto prevê um distrito de uso misto de 17 quarteirões para 12.000 moradores, nenhum dos quais precisaria usar carros particulares para suas necessidades diárias.

A  zona do canal Merwede era originalmente um parque empresarial, mas será transformada nos próximos anos. Imagem: Marco Broekman and Okra.A zona do canal Merwede era originalmente um parque empresarial, mas será transformada nos próximos anos. Imagem: Marco Broekman and Okra.

Maike Koch, porta-voz do município, concorda que Utrecht é uma "cidade muito favorável para bicicletas", mas que, no entanto, "o espaço público ainda é amplamente determinado pelos carros". Ela diz que Merwede “será diferente” porque “o espaço público nesta área central será livre de carros com um design verde de alta qualidade”.
 
Merwede, acrescenta: “será um distrito da cidade com tudo para o dia a dia, como um supermercado, escolas primárias e secundárias e serviços médicos, a curta distância. As pessoas podem fazer compras, trabalhar e praticar esportes no bairro e relaxar em um terraço na praça da cidade.”

Haverá um skatepark, muitos restaurantes e cafés agradáveis ​​e até uma parede para escaladas. Ilustração: Marco Broekman and Okra.Haverá um skatepark, muitos restaurantes e cafés agradáveis ​​e até uma parede para escaladas. Ilustração: Marco Broekman and Okra.

Outro aspecto crucial do novo bairro é a ideia de que será voltado para a economia circular. Isso significa criar o mínimo de resíduos possível e usar o mínimo possível de novos recursos.  Além do projeto que exclui principalmente carros, Merwede terá outras características ecológicas, como aquecimento e refrigeração fornecidos através de um canal: esta será a maior instalação de armazenamento subterrâneo de calor e frio na Holanda.

***
Por Carlton Reid na Forbes (Inglês).

O projeto de construção da marca. Imagem: A Equipa / Lisboa.O projeto de construção da marca. Imagem: A Equipa / Lisboa.

Em 2015, quando a capital paulista comemorava 467 anos de existência, um outro evento poderia ser também festejado, ainda que precoce e discretamente: a criação do portal São Paulo São.

Nessa pouco mais de meia década na produção de pautas inclusivas, conteúdos inéditos, projetos proprietários, ocupações criativas e compartilhamento de exemplos nacionais e internacionais, fizemos tudo ao nosso alcance para traduzir o ‘zeitgeist’ de nossa cidade. E demos tudo de forma plural, para marcas, pessoas e causas ao abrir espaço para manifestações e para aqueles que apostam em boa convivência nas cidades e foram incentivados em nossos slogans: ‘As coisas boas que são tão nossas’, ‘A sua melhor tradução’ e ‘Conexões que inspiram’.

A maior cidade nordestina do país, a maior italiana fora da Itália, a maior japonesa fora do Japão, essa cosmópole que abriga mais descendentes libaneses do que a população total do Líbano, que abriu os braços para coreanos, bolivianos, nigerianos, sírios, peruanos, e tantos outros povos que buscavam um lugar para se estabelecer e aqui encontraram sua morada, foi interpretada pelo São Paulo São com a mesma sensibilidade com que Caetano decifrou Sampa. E não faltaram exemplos e iniciativas de todos os cantos do mundo para nos ensinar.

Encerrada essa etapa, iniciamos outra e precisamos do seu apoio! 

Sugestão de novo layout para o Portal. Imagem: Ilustração.Sugestão de novo layout para o Portal. Imagem: Ilustração.

Precisamos de seu apoio para reformular o layout do Portal, que ganhará novas seções e novos colaboradores, passará a transmitir conteúdos em seu canal de web-vídeo distribuídos nas redes sociais e via podcasts, com programação diária de articulistas e convidados - além das séries temáticas que  já produzimos -, ganhará ambiente de marketplace para pequenos empreendedores, desenvolverá aplicativos de soluções urbanas e vai desenvolver uma linha de produtos próprios em vários formatos.

Futuro presente

Focada na valorização dos bairros e de suas potencialidades, a nova iniciativa da São Paulo São contribui para que a cidade seja mais saudável, produtiva e sustentável. Imagem: Prefeitura de Paris.Focada na valorização dos bairros e de suas potencialidades, a nova iniciativa da São Paulo São contribui para que a cidade seja mais saudável, produtiva e sustentável. Imagem: Prefeitura de Paris.A ressignificação dos hábitos de consumo e do estilo de vida; o home office e o teletrabalho; a convivência mais familiar e local, valorizando os serviços próximos de casa; os produtos feitos de forma artesanal, em oficinas familiares, não ondas passageiras, mas pilares firmes que já estruturam a vida pós-pandemia. Portanto, nos inspiramos e vamos mergulhar ainda mais no conceito criado pelo cientista franco-colombiano Carlos Moreno, que é a ‘cidade de 15 minutos’. Na tese de Moreno, os moradores terão acesso a tudo o que precisam a apenas 15 minutos de distância a pé, através da caminhada ativa, bicicletas ou transporte público.

E como protagonistas, queremos impulsionar os vínculos saudáveis e produtivos em São Paulo, por meio de seus energéticos e ricos centros de produção de cultura, valores, ideais e produtos: os bairros. Além de ampliar e expandir nossa produção para outras capitais do país com o projeto São Conexões.

Para enfrentar esses desafios e seguir à frente como “Love Brand”, o São Paulo São terá de ampliar a sua equipe de criação, produção, redes sociais e incremento de sua produção na web - e em eventos criativos no pós-pandemia.

Contribua

Banner da campanha. Arte J.R. Delboux sobre imagem do Arquivo do Estado de São Paulo.Banner da campanha. Arte J.R. Delboux sobre imagem do Arquivo do Estado de São Paulo.Seja você Pessoa Física ou Jurídica, privada ou pública, pode nos apoiar de várias formas.

Dependendo do valor escolhido (que pode ser mensal), você ganha um espaço no portal para anunciar seu pequeno negócio, causa, marca ou empresa. E como pessoa física, vai continuar recebendo material de qualidade sobre a nossa metrópole e bons exemplos de cidades do mundo todo, acessando o Portal e suas redes sociais ou através de nossa newsletter semanal.

Faça sua doação pelo PIX: [email protected] 

Se houver interesse, podemos ajudar com projetos “Taylor Made” - assim como fizemos com sucesso para a Nissan, Santander, Tegra,  Getty Images, Leroy Merlin, Prefeitura de São Paulo, Inovabra Habitat, Grow Mobility, etc -  o que poderá ajudá-lo com algumas referências para esse aporte e, qualquer que seja o valor da sua contribuição, você sempre receberá uma contrapartida de nossa parte. Consulte-nos!

Então, se você é uma empresa, anunciante ou dono de um pequeno negócio, fale conosco, tire suas dúvidas e venha participar!  Acreditamos que é bom para todo mundo quando nos apoiamos mútua e coletivamente.

Fale conosco:[email protected]

O São Paulo São precisa de você!

A cidadania agradece.

Texto: Zoca Moraes e Mauricio Machado.

Confira as revelações de cinco ilustres moradores da região, entrevistados na série especial sobre bairros de São Paulo. Imagem: Ricardo Martirani.Confira as revelações de cinco ilustres moradores da região, entrevistados na série especial sobre bairros de São Paulo. Imagem: Ricardo Martirani.

O São Paulo São e o seu projeto Bairros São Conexões lançam série inédita na web para valorizar a criatividade e a boa convivência nos bairros paulistanos. A primeira série - que tem inicialmente 4 vídeos de 2 minutos e 15 segundos cada um - é sobre Perdizes, bairro localizado numa das regiões mais charmosas e interessantes da cidade, pontilhada de atrações e serviços. O São Conexões é uma iniciativa inspirada na "Cidade de 15 minutos", sistema criado pelo cientista franco-colombiano Carlos Moreno, e que está sendo implantado em Paris pela prefeita Anne Hidalgo.

Entre ladeiras, ciclovias, feiras, bares, restaurantes, parques e galerias, Perdizes segue no ranking dos bairros mais cobiçados de São Paulo. Tem o terceiro maior Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) da cidade e ocupa a primeira posição na zona oeste, com 0,977, segundo dados recentes. Trata-se de uma região que reúne diversidade de serviços e muita qualidade de vida, com ruas arborizadas e jeitão de cidade do interior. A apenas cinco quilômetros do centro e com acesso fácil às grandes rodovias, Perdizes tem sido cada vez mais procurada como refúgio e moradia.

Perdizes está localizado numa das regiões mais charmosas e interessantes da cidade.Perdizes está localizado numa das regiões mais charmosas e interessantes da cidade.

O parque é um paraíso para quem quer se sentir totalmente fora da cidade.O parque é um paraíso para quem quer se sentir totalmente fora da cidade.

O bairro acolhe o bucólico Parque da Água Branca, com seus 136 mil metros quadrados de área, onde é possível caminhar, meditar, fazer piqueniques e até comprar na famosa feira orgânica, em meio ao canto dos pássaros e as frondosas árvores dos jardins.

O Allianz Park, uma das arenas multiuso mais modernas do mundo, e meca palmeirense, é outro destaque. Na área da educação, a presença de várias boas escolas e a tradicional PUC, referência em ensino superior, atraem famílias e jovens vindos de outras cidades.

Nascido na metade do século 19, o bairro ganhou esse nome devido ao grande número de perdizes que povoavam alguns jardins e casas da região, em especial o quintal de Joaquim Alves Fidelis e Maria de Santa Rixa.

 Francisco Guedes confessa que já viveu em quatro bairros, mas é em Perdizes que se sente melhor. Francisco Guedes confessa que já viveu em quatro bairros, mas é em Perdizes que se sente melhor.

Maquete de projeto de Joaquim Guedes para  nova PUC. Imagem: Acervo Pessoal / Chico Guedes.Maquete de projeto de Joaquim Guedes para nova PUC. Imagem: Acervo Pessoal / Chico Guedes.

Um dos entrevistados para esta série, o arquiteto, urbanista e músico Francisco Guedes confessa que já viveu em quatro bairros, mas é em Perdizes que se sente melhor. As boas lembranças de passeios com o filho no Parque da Água Branca e a reconstrução do teatro TUCA ao lado do pai, o falecido arquiteto Joaquim Guedes, são memórias vivas e felizes. Lugares queridos de Chico em seu dia a dia.

É especial a rotina da fisioterapeuta Adriana Peres no bairro que elegeu como seu.É especial a rotina da fisioterapeuta Adriana Peres no bairro que elegeu como seu.

Avenida Sumaré, uma avenida onde se pode correr, namorar, passear, andar de bicicleta.Avenida Sumaré, uma avenida onde se pode correr, namorar, passear, andar de bicicleta.

É também especial a rotina da fisioterapeuta Adriana Perez no bairro que elegeu como seu. “Cumprimento todo mundo por aqui, é uma vida gostosa e leve, entre subidas e descidas nas ladeiras”, conta Adriana durante a entrevista. Moradora de Perdizes há vinte anos, ela explica que gosta do mix de dança, movimento e arte que compõem esse pedaço paulistano.

Aliás, o estúdio do famoso bailarino Ivaldo Bertazzo está bem no miolo de Perdizes, na rua Cotoxó. “E ainda tem a avenida Sumaré, uma avenida onde a gente pode correr, namorar, passear, andar de bicicleta...”, enumera. “Um dia você encontra uma pista de skate com jazz, no outro descobre um bar gostoso ou ainda uma casa de chás. Quando optei por morar em Perdizes eu queria um bairro estratégico, onde a saída para o litoral e o interior fosse fácil, e assim é. Aqui tudo circula, não é um lugar congestionado”.

As amigas Simone Casalecchi, decoradora, e Ana Suzuki, designer, não se vêem em outro lugar.As amigas Simone Casalecchi, decoradora, e Ana Suzuki, designer, não se vêem em outro lugar.

São 153 degraus: a malhação até o topo queima até 1.000 calorias em meia hora.São 153 degraus: a malhação até o topo queima até 1.000 calorias em meia hora.

Concordam com ela as amigas Simone Casalecchi, decoradora, e Ana Suzuki, designer. “Eu adoro circular com os cachorros, momentos em que a gente faz muitos amigos”, diz Simone. Já para Ana, o fato de os filhos estudarem a duas quadras de casa, acessando a escola a pé, faz muita diferença na qualidade de vida. “Além disso, essas ladeiras de Perdizes eu já encaro como exercício físico, que só fortalece; costumo dizer que eu moro perto da lua, de tanta ladeira que tem no bairro”. Ambas vivem há mais de oito anos na região e não se veem em outro lugar.

O criativo Henrique Szklo se sente tão bem nessa região como não se sente em várias outras.O criativo Henrique Szklo se sente tão bem nessa região como não se sente em várias outras.

A região tem muita qualidade de vida, com ruas arborizadas e jeitão de cidade de interior.A região tem muita qualidade de vida, com ruas arborizadas e jeitão de cidade de interior.

Perdizes tem o terceiro maior IDH da cidade e ocupa a primeira posição na zona oeste, com 0,977.Perdizes tem o terceiro maior IDH da cidade e ocupa a primeira posição na zona oeste, com 0,977.

Mesmo sendo um morador recente de Perdizes – ele se mudou durante a pandemia –, o professor, escritor e criativo Henrique Szklo já se declara apaixonado. “Nós viemos em busca de um apartamento menor, para reduzir custos. Só que em vez de um retrocesso, aconteceu um avanço. Toda manhã acordamos e comentamos como foi bom mudar para Perdizes!”, exulta. O prédio de Henrique é pequeno e sem porteiro, com ares europeus, o que o agradou bastante. Fora isso, ele tem dois supermercados ao lado e o Allianz Park a alguns passos da sua casa. “Isso também pesou na decisão. Por razões que eu desconheço, me sinto bem nessa região como eu não me sinto em várias outras”, confidencia o palmeirense criativo.

Mistérios de Perdizes, que a cada dia cativa mais pessoas para o seu território charmoso e único.

Bairros São Conexões

Ficha técnica.

Direção: Mauricio Machado.
Roteiro: Chantal Brissac e Mauricio Machado.
Direção de fotografia e montagem: Ricardo Martirani.
Vinheta / arte: Lab Experimental FAAP.
Trilha Sonora: Cid Campos.
Entrevistados: Francisco Guedes, Adriana Perez, Simone Casalecchi, Ana Suzuki, Henrique Szklo.

Assista aos 4 episódios na 'play list' do São Paulo São.

Na próxima série, Bairros São Conexões vai revelar Higienópolis.

Leia também: 

São Conexões: a Tegra Incorporadora é parceira da iniciativa.

***
Por Chantal Brissac da Redação.