Conexões - São Paulo São

São Paulo São Conexões

Carlos Moreno e Mauricio Machado em live sobre 'as cidades em 15 minutos'. Imagem: Reprodução.Carlos Moreno e Mauricio Machado em live sobre 'as cidades em 15 minutos'. Imagem: Reprodução.

Na última terça, dia 26 de janeiro, o convidado especial para o Conversas São Conexões, do site São Paulo São, foi o cientista franco-colombiano Carlos Moreno, da Universidade Paris 1 Panthéon Sorbonne. Criador da "Cidade de 15 minutos" e assessor especial de Anne Hidalgo, prefeita de Paris, Moreno é uma das principais vozes internacionais do urbanismo sustentável e da mobilidade ativa.

 

O cientista propõe que em vez de termos um único centro nas cidades ou que as diferentes atividades (comerciais, industriais, administrativas, etc.) sejam realizadas em locais diferentes, a organização urbana seja feita por meio de vários centros: os bairros. Imagem: Paris en Common.O cientista propõe que em vez de termos um único centro nas cidades ou que as diferentes atividades (comerciais, industriais, administrativas, etc.) sejam realizadas em locais diferentes, a organização urbana seja feita por meio de vários centros: os bairros. Imagem: Paris en Common.

Neste dia 26 de janeiro, a marca e Portal São Paulo São promove a estreia do 'Conversas São Conexões' dentro de sua nova iniciativa. O convidado especial é o cientista franco-colombiano Carlos Moreno, da Universidade Paris 1 Panthéon Sorbonne, criador do conceito "Cidade em 15 minutos" (Ville du 1/4h) e assessor especial para 'Cidades Inteligentes' de Anne Hidalgo, prefeita de Paris.

A live, que será transmitida nos canais do Portal (Youtube e Facebook), acontece a partir das 16h30 (horário de Brasília) e, além do mediador, Mauricio Machado, fundador da marca, terá como convidados:

  • Nabil Bonduki, arquiteto e urbanista, ex-vereador, relator do novo plano diretor de São Paulo, ex-secretário de Cultura do município e colunista da Folha de S. Paulo.
  • Chantal Brissac, jornalista e publicitária, fundadora do Pro Coletivo e parceira da iniciativa, é autora de livros sobre comportamento, saúde, bem-estar e carreira.
  • Ana Paula Wickert, arquiteta e urbanista do ArqAtualiza com aperfeiçoamento pelo Gehl Institute em Copenhagen e ex-Secretária de Planejamento de Passo Fundo.
  • Marcos de Oliveira Costa, arquiteto formado pela FAU Mackenzie com mestrado pela FAU USP, é coordenador e docente do curso de Arquitetura e Urbanismo da FAAP -SP. Integrante do escritório Borelli & Merigo.

O conceito

Carlos Moreno. Foto: Sylvain Leurent.Carlos Moreno. Foto: Sylvain Leurent.Parece quase utópico visto de metrópoles como São Paulo, Cidade do México ou Bogotá. Mas Carlos Moreno, convidado para uma live pelo Portal e Marca São Paulo São nesta terça, dia 26 às 16h30 está convencido.

"A cidade de 15 minutos é um conceito fruto das minhas pesquisas, que busca recriar uma qualidade de vida, saindo do anonimato das metrópoles e de uma vida sempre apressada com longos trajetos entre a casa e o trabalho. É assim que se perde o tempo útil da vida”, explica. “Esse conceito consiste em redescobrir a proximidade geográfica e a proximidade familiar. Redescobrir o bairro para que a cidade não seja socialmente segmentada", explica.

Concretamente, o cientista propõe que em vez de termos um único centro nas cidades ou que as diferentes atividades (comerciais, industriais, administrativas, etc.) sejam realizadas em locais diferentes, a organização urbana seja feita por meio de vários centros". Ele dá como exemplo a prefeitura ou um ginásio, que passariam a ser abertos para outros usos, mas também de espaços que poderiam ser ocupados pela população para todos os tipos de atividade. Porém, o mais importante é que esses locais devem ser acessíveis a pé ou de bicicleta em, no máximo, 15 minutos.

Ele se inspirou nos bons resultados de algumas experiências em Tóquio, mas também estuda o urbanismo no México, na Colômbia e, é claro, em Paris, que considera um laboratório a céu aberto - e onde assessora a prefeita Anne Hidalgo a implantar o projeto. A capital francesa concentra cerca de 2,5 milhões de pessoas e tem todos os problemas de uma grande capital.

Bairros

O espaço urbano pode ser organizado de modo a melhorar o estilo de vida, a saúde e o bem-estar geral. Imagem: Vito Asado / Chroniques D'architecture.O espaço urbano pode ser organizado de modo a melhorar o estilo de vida, a saúde e o bem-estar geral. Imagem: Vito Asado / Chroniques D'architecture.O São Conexões, como o próprio nome aponta, tem como objetivo impulsionar os vínculos saudáveis e produtivos em São Paulo, por meio de seus energéticos e ricos centros de produção de cultura, valores, ideais e produtos: os bairros.

Alocado no Portal São Paulo São, o São Conexões é um “hub” de conteúdos a partir da junção de coletivos, empresas, startups, investidores, parceiros, mídia e cidadãos, que podem atuar conjuntamente para despertar processos inovadores e criativos nos bairros paulistanos, esmiuçando e mapeando as potencialidades de cada região, além de seus principais líderes, negócios criativos, estilo de vida e vocações.


Tegra Incorporadora é parceira da iniciativa.

***
Da Redação.

A ideia por trás das cidades de 15 minutos foi desenvolvida por Carlos Moreno, um professor da Sorbonne que visava melhorar a qualidade de vida urbana. Imagem: Paris en Common.A ideia por trás das cidades de 15 minutos foi desenvolvida por Carlos Moreno, um professor da Sorbonne que visava melhorar a qualidade de vida urbana. Imagem: Paris en Common.

Pense na cidade onde você mora. Quanto tempo você leva para chegar ao supermercado a pé? A sua escola ou trabalho é perto o suficiente para ir caminhando? Que tal um parque público, um consultório médico, uma creche ou qualquer outro lugar que você visita diariamente? Enquanto algumas cidades já entenderam a importância de se viver perto de todas essas necessidades, outras estão reformulando suas estratégias de planejamento urbano e projetando seus bairros para serem mais amigáveis aos pedestres, com o conceito de “cidades de 15 minutos”.

Onde a gentileza e a empatia são naturais, a convivência é harmoniosa e amigável. Foto: Getty Images.Onde a gentileza e a empatia são naturais, a convivência é harmoniosa e amigável. Foto: Getty Images.

A gentileza é um ingrediente básico na vida urbana. Sem ela, a convivência se torna difícil, pois as pessoas usam a máxima do “eu primeiro”, que denota egoísmo e falta de empatia com o outro. E assim o trânsito passa a ser ainda mais veloz e violento. A rua, em vez de se tornar um espaço de encontro e bem-estar, se transforma em um campo de batalha.

O transporte ativo e a aprendizagem ao ar livre têm um papel importante no planejamento da reabertura escolar. Foto: Getty Images.O transporte ativo e a aprendizagem ao ar livre têm um papel importante no planejamento da reabertura escolar. Foto: Getty Images.

O controverso retorno às aulas presenciais nas escolas neste ano de 2021 envolve não só protocolos de segurança sanitárias, como distanciamento entre os alunos, medidas rígidas de higiene e preferência por atividades ao ar livre, mas também questões importantes ligadas à mobilidade urbana. Afinal, como os estudantes devem ir e vir da escola? Já que o uso do transporte coletivo está em revisão nesses tempos, qual seria a melhor forma de se mover?

Bons espaços públicos se conectam com as pessoas. Foto: La Citta Vita / Flickr. Bons espaços públicos se conectam com as pessoas. Foto: La Citta Vita / Flickr.

Hoje, muitos espaços públicos são vistos como locais não tão seguros em milhares de cidades ao redor do mundo. A noção de segurança é perdida no momento em que uma localidade se torna vazia, não recebe iluminação, uso ou até mesmo a atenção adequada. Conectar os espaços entre o que é público e o que é privado pode ser um trunfo para evitar isso. Esses espaços são chamados deplinth. O conceito é amplamente explorado em A Cidade Ao Nível dos Olhos, livro que compila projetos que transformaram locais no mundo inteiro.