Encontros - São Paulo São

São Paulo São Encontros


A prefeitura de São Paulo entregou neste domingo (23) a nova ciclovia na Avenida Bernardino de Campos. A via exclusiva para bicicletas conta com 750 metros de pista e completa a ligação entre a Avenida Paulista e a Rua Vergueiro. Também foram inaugurados um bicicletário, uma cozinha comunitária e o Mirante 9 de Julho, que foi revitalizado.

“A Bernardino conecta a Vergueiro à Paulista. Agora você consegue ir da avenida Jabaquara até o Pacaembu e logo mais até quase a Lapa de bicicleta. Isso vai criando a chamada malha cicloviária, que dá mais segurança para as pessoas, não apenas irem trabalhar, mas também poderem ter o seu momento de lazer gratuito. A cidade tem que oferecer essa opção e a bicicleta é um exercício magnifico, que melhora o sedentarismo”, afirmou Haddad.
 
 
Iniciadas em janeiro deste ano, as obras para a construção das ciclovias das avenidas Paulista e Bernardino de Campos tiveram o investimento de R$ 12,2 milhões. Com o novo trecho, a cidade de São Paulo passa a contar com 356,8 km de malha cicloviária, incluindo 31,9 km de ciclorrotas. Desde junho de 2014 a atual gestão inaugurou 260,2 km de ciclovias. Antes, São Paulo possuía 64,7 km de ciclovias.

A Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) desviou o tráfego de veículos na Avenida Paulista para garantir a segurança de pedestres e ciclistas. “A CET e a Polícia Militar têm autonomia. Se há expectativa de vinda de muitas pessoas para cá, avisamos com antecedência quais vias serão fechadas, assim o motorista também se organiza”, afirmou o secretário municipal de Transportes, Jilmar Tatto. 

Para beneficiar os ciclistas que trafegam pela região, a Praça Marechal Cordeiro de Farias, conhecida como Praça dos Arcos, recebeu também um bicicletário com 47 vagas e funcionamento 24 horas, todos os dias da semana. O local será gerenciado pela empresa Compartibike. 

“Esse bicicletário está ao lado da estação Consolação [do Metrô], um lugar que as pessoas reclamavam muito que não tinham onde deixar bicicleta. Então agora as pessoas vão poder substituir o seu meio de transporte pela bicicleta, integrando com o Metrô e com o ônibus”, disse o prefeito.
Para utilizar o bicicletário, o usuário deve apresentar um documento com nome e CPF, além fornecer um telefone e um e-mail para o cadastramento.

“Eu acho ótimo que você tenha uma política pública voltada para o cicloviário, principalmente aqui nesta avenida, que precisava tanto deste espaço. É uma grande conquista para nós”, disse a cicloativista Renata Falzoni.

Percurso
O percurso da ciclovia na Bernardino de Campos é bidirecional, localizada no canteiro central entre a Praça Oswaldo Cruz e a Rua Correia Dias. Na Praça Oswaldo Cruz, haverá conexão com as futuras ciclovias da Rua Rafael de Barros e da Rua 13 de Maio. Na conexão com a Rua Vergueiro, o percurso foi reformulado para também possibilitar o acesso à Avenida Domingos de Morais. 

Na Bernardino de Campos, toda a pavimentação da ciclovia foi construída em concreto pigmentado, que garante mais durabilidade, regularidade e resistência do piso.

Benfeitorias realizadas no entorno
A Avenida Bernardino de Campos completa o eixo cicloviário da Avenida Paulista, seguindo o mesmo padrão arquitetônico. Para isso, passou por uma grande requalificação urbanística, que inclui a reforma e iluminação reforçada no canteiro central e nas calçadas, o enterramento da fiação, além da implantação de totens de sinalização e de informação.

As oito faixas de rolamento foram mantidas e redimensionadas. Houve alargamento do canteiro central, que ficou com 4,2 metros, e elevação de 28 centímetros em relação às pistas, com nivelamento nos cruzamentos da via. As pistas de circulação de veículos automotores também foram padronizadas e recapeadas.

O projeto da Bernardino também englobou a instalação de dutos para passagem de fibra óptica e cabeamento sob o canteiro central. A extensão das redes de dutos é o mesmo da ciclovia.

Pedestres
Os pedestres também foram beneficiados com a retirada de postes nas calçadas e a requalificação do piso no canteiro central.

Também foram realizadas obras para garantir a acessibilidade de pessoas com dificuldade de locomoção, por meio da implantação de acessos rebaixados e encaminhamentos com piso tátil.

Para garantir segurança nas travessias, a sinalização semafórica existente foi sincronizada para o fluxo de bicicletas.

Alteração da velocidade máxima permitida
O eixo cicloviário é formado pela Rua Sena Madureira, Avenida Professor Noé de Azevedo, Rua Vergueiro, Avenida Bernardino de Campos e Avenina Paulista. Na Rua Domingos de Morais a velocidade máxima permitida será de 50km/h no trecho entre a Rua Sena Madureira e a Avenida Lins de Vasconcelos.

Cozinha São Paulo
A Praça dos Arcos, situada no início da Av. Paulista, próximo da rua Angélica, também recebeu o Cozinha São Paulo, projeto sem fins lucrativos gerenciado pelo Instituto Mobilidade, cujo objetivo é gerar experiência inédita para ativação de espaços públicos por meio da gastronomia comunitária.

O espaço também permite o consumo de alimentos orgânicos vindos de pequenos produtores da cidade e contempla apoio a jovens cozinheiros da periferia.

“O projeto pretende trazer pessoas que estão ligadas à periferia de São Paulo, que como no nosso caso, não têm espaço. Nós moramos na região do Capão Redondo e o nosso negócio é em família. Nós sempre quisemos abrir um negócio, mas a gente não tinha recursos para ter uma estrutura dessa. Então a Prefeitura nos cedeu essa estrutura para oferecer a nossa comida aqui para captarmos recursos e sermos microempreendedores”, Wellington Ramos Rech, o cozinheiro do mês. 


Mirante 9 de Julho
Um chamamento Público organizado pela Subprefeitura da Sé permitiu que o espaço localizado nos baixos do Viaduto Bernardino Tranchesi, na Bela Vista, fosse revitalizado, após décadas de abandono, transformando o Mirante 9 de Julho em um espaço gastronômico com programação cultural.

“Fruto de um chamamento público, esse projeto vitorioso dá demonstração do quanto a gente pode revitalizar e requalificar os espaços públicos de São Paulo, permitindo que a população à noite e aos finais de semana tenha condições de lazer”, afirmou Haddad.
 
 
A ação se deu por meio de uma Parceria Público-Privada (PPP). Cinco propostas apresentadas foram avaliadas por uma Comissão Especial e o consórcio formado pelas empresas Grupo Vegas e MM18 Arquitetura foi selecionado. Com a PPP, o consórcio poderá utilizar o espaço por três anos, tendo como contrapartida a revitalização urbanística, ambiental e paisagística do local, oferecendo à população atividades culturais, sociais e educacionais. O consórcio será responsável ainda pela conservação, manutenção e limpeza do espaço e pela renovação de duas fontes existentes na Av. 9 de Julho. Serão oferecidas atividades gratuitas, como mostras de arte urbana, projetos musicais, exibições de filmes ao ar livre e feiras independentes. O coletivo Rolê fará a primeira ocupação artística no local, com quatro edições distintas do trabalho realizado por eles nos últimos 11 anos, entre fotografias, lambe-lambes, vídeos e instalações.

A partir de 25 de agosto, o mirante terá sua operação completa de restaurante, café e bar, administrados pelo Mercado Efêmero, FAF Studio e Grupo Vegas, respectivamente.

Serviço:

Cozinha São Paulo
Endereço: Praça Marechal Cordeiro de Farias (Praça dos Arcos)
Site: www.cozinhasp.org
 
Mirante 9 de Julho
Endereço: Baixo do Viaduto Bernardino Tranchesi, 167 - Bela Vista
Telefone: (11) 3111-6342
Capacidade: 350 pessoas
Entrada: gratuita
Abertura oficial com operação completa: 25/08, terça-feira.

Fonte: Secretaria Executiva de Comunicação. Fotos: Heloisa Ballarini/Secom.



Quando Mário de Andrade foi convidado para fundar o Departamento de Cultura de São Paulo, em 1935, um de seus primeiros projetos foi o de uma discoteca pública, onde seria mantido o acervo de uma das instituições que sonhava criar: uma rádio-escola. “As irradiações musicais vivem grandemente do emprego do disco”, escreveu o modernista em ofício ao então prefeito, Fábio Prado, pedindo orçamento para comprar álbuns de “música erudita nacional”, “música popular nacional”, “composição estrangeira erudita”, “música popular estrangeira” e outros “de caráter científico, documentário ou didático”.

A rádio-escola nunca saiu da papel, mas a discoteca se tornou um dos legados duradouros do período de Mário como gestor público. Hoje vinculada ao Centro Cultural São Paulo (CCSP), a Discoteca Oneyda Alvarenga — batizada com o nome da discípula e amiga de Mário que administrou a instituição desde o início até se aposentar, em 1968 — completa 80 anos com um acervo valioso. São cerca de 72 mil discos (45 mil de 78 rotações e 27 mil LPs), 62 mil partituras e 5 mil periódicos relacionados à música, além do material coletado pela Missão de Pesquisas Folclóricas, coordenada por Mário em 1938.

O aniversário está sendo celebrado este mês com o lançamento de um portal e uma série de eventos, como debates, shows e a exposição “Discoteca 80: um projeto modernista”, com fotos, documentos, objetos de época e gravações. O objetivo é apresentar a um público mais amplo o trabalho da instituição, que atualmente recebe cerca de 1.500 visitantes por mês.

— Recebemos desde pesquisadores e estudantes de música a produtores e ouvintes que vêm por puro lazer. Costumo dizer que atendemos do maestro ao morador de rua — diz Jéssica Barreto, coordenadora da Discoteca Oneyda Alvarenga.

Em tempos de streaming e downloads, quando as “irradiações musicais” já não dependem tanto do “emprego do disco”, como escreveu Mário, a discoteca busca novas formas de difundir seu acervo. Recém-inaugurado, o portal será alimentado com itens da coleção e vídeos e podcasts criados a partir dela. Por enquanto, além de informações históricas, há uma pequena amostra da variedade do acervo, de Elis Regina e Bob Dylan a raridades como “Jorginho do sertão”, primeira canção sertaneja gravada no Brasil, em 1929, pela dupla Mandi e Sorocabinha.

No site há também programas produzidos pela instituição, como a série “Crônica de toca-discos”, em que artistas, críticos e produtores são convidados a explorar o acervo da discoteca. A sambista Fabiana Cozza escolheu de Edith Piaf a Dorival Caymmi. Enquanto ouvia e comentava faixas de Paulo Vanzolini, Clara Nunes e Jacob do Bandolim, o rapper Emicida lembrou um verso de uma de suas músicas: “nossos livros de história foram discos”.

— Uma das intenções de Mário era dar subsídios para compositores brasileiros conhecerem a música feita aqui e no exterior. Queremos continuar a difundir esse acervo para artistas e ouvintes em geral. Muita coisa que temos aqui não está disponível na internet. Nosso objetivo é fazer da discoteca um ponto de encontro para quem quer ouvir e discutir música — diz Jéssica, lembrando que a maior parte do acervo está digitalizada e pode ser consultada gratuitamente.

No último sábado, o aniversário da discoteca foi comemorado com uma “roda de escuta”, bate-papo em torno de discos do acervo. Nos anos 1930, Mário e Oneyda promoviam eventos semelhantes, exemplo da concepção ampla que o modernista tinha da gestão cultural. Essa concepção está exposta no recém-lançado “Me esqueci completamente de mim, sou um departamento de cultura” (Imprensa Oficial de São Paulo), organizado por Carlos Augusto Calil e Flávio Rodrigo Penteado, coletânea de documentos oficiais produzidos pelo escritor enquanto dirigiu o departamento, entre 1935 e 1938.

Os documentos mostram Mário se debatendo com o que chamava de “espessa goma da burocracia” em sua luta para implantar projetos ousados, como a Missão de 1938, que percorreu estados do Norte e Nordeste registrando danças, cantos e rituais. As gravações da Missão hoje fazem parte do acervo da discoteca, assim como documentos de outros projetos criados por Mário, como a Sociedade de Etnografia e Folclore, que teve colaboração do casal de antropólogos Claude Lévi-Strauss e Dina Dreyfus, e o Arquivo da Palavra, registro sonoro do modo de falar em várias regiões do país.

— Mário tinha uma visão inovadora para a época sobre o que hoje chamamos de “patrimônio imaterial”. Na administração dele, a cultura não era entendida em sentido estrito. Estava ligada à recreação, à assistência social, ao meio ambiente, ao turismo, a tudo que permeia a atividade humana e pode ser relacionado à ideia de cultura — diz Carlos Augusto Calil, professor da Escola de Comunicação e Artes da USP, que já dirigiu o CCSP e a secretaria de Cultura de São Paulo.

A sobrevivência dos frutos desse trabalho deve muito a Oneyda Alvarenga. Antes de morrer, em 1945, Mário deixou uma carta em que pedia a ela que desse continuidade a suas pesquisas sobre cultura popular. Ela catalogou o acervo da Missão, a partir do qual lançou discos da série “Registros sonoros do folclore musical brasileiro”, e organizou livros póstumos de Mário sobre o assunto, como “Danças dramáticas do Brasil” (1959) e “Os cocos” (1984).

— Mais do que criar um acervo, Mário e Oneyda queriam que ele chegasse às pessoas. Era um grande projeto público de musicalização. E é importante lembrar que, sem o trabalho dela, a discoteca não existiria — diz Flávia Camargo Toni, professora do Instituto de Estudos Brasileiros (IEB) da USP, que colaborou com Oneyda, morta em 1984, na organização de um projeto inacabado de Mário, o “Dicionário musical brasileiro”, lançado em 1982.

Guilherme Freitas em O Globo.


A Faculdade de Design celebra dez anos em São Paulo e convida população para ocupar criativamente uma das ruas mais charmosas da cidade.

Uma série de atrações vai marcar a Virada Sustentável no bairro de Higienópolis, mais especificamente na Rua Maranhão. Dezenas de atividades gratuitas e interativas podem ser conferidas no domingo, 30 de agosto, das 12h às 18h, no espaço externo e interno do IED.

Experiências gastronômicas, oficinas, laboratórios, encontros, caminhadas, passeios, espetáculos musicais, pesquisas e mobilidade urbana são alguns dos destaques da programação “Venha viver a rua”, apresentada pelo Istituto Europeo di Design - IED São Paulo, que comemora dez anos no Brasil. As atividades são uma iniciativa do NEX - Núcleo Exploratório de Pesquisa em Design da faculdade.

O evento faz parte da Virada Sustentável, que chega à sua quinta edição em São Paulo e envolve diversos conteúdos ligados à sustentabilidade. A região impactada pela ação do IED São Paulo reúne restaurantes, padarias, bancas de jornal, edifícios históricos, calçamento largo, arborização, importantes instituições de educação e muito mais.

Além do IED São Paulo, apoiam e participam da iniciativa o Hotel Tryp Higienópolis, o Hortifruti Higienópolis, o ristorante Roma, a Faculdade Cultura Inglesa, a padaria Aracaju.

Design de cidades

A ideia do “Venha viver a rua” surgiu a partir do projeto de pesquisa e requalificação urbana “Essa nossa Rua Maranhão”, desenvolvido por professores e alunos da faculdade e que conclui sua primeira etapa, com apresentação de pesquisa e infográficos da via pública.

A discussão sobre o (re-)design urbano é pauta hoje das cidades mais importantes do mundo e em São Paulo não poderia ser diferente. “O IED com suas 11 sedes na Europa e no Brasil, sempre instalado em distritos criativos, participa ativamente dos debates e propostas para qualificar os espaços urbanos e potencializar a colaboração entre os agentes da sociedade por meio do Design. Comemoramos nossos dez anos na capital paulista levando a faculdade para a rua”, afirma Victor Megido, diretor geral do IED Brasil,

Debora Carammaschi, diretora acadêmica do IED Brasil, explica que a Cultura do Design tem como proposta central melhorar a vida das pessoas. “A cidade, com seus sistemas sociais, econômicos, culturais e de serviços é o habitat por excelência do ser humano contemporâneo. Qualquer transformação parte do indivíduo, para se refletir em sua casa e então ganhar a rua”, complementa a educadora.

Placemaking

Projetos como “Essa nossa Rua Maranhão” fazem parte de iniciativas de placemaking, uma nova abordagem, prática e multidisciplinar, para o planejamento, design e gerenciamento de espaços públicos, atualmente em pauta nos centros urbanos com grande vocação criativa e empreendedora, como é o caso de São Paulo.

“Com a programação Venha viver a rua, convidamos a população da rua, do bairro e da cidade a se apropriar do espaço público e retomar a convivência como um modo prazeroso e participativo de construir novos conceitos de vizinhança”, destaca Mari Pini, coordenadora do NEX e curadora da iniciativa.

Nas atividades do “Venha viver a rua” o público é protagonista, chamado para fazer, atuar, experimentar, ver, sentir, aprender na rua, convivendo, numa reunião entre pessoas de todos os tipos, mas que compartilham o interesse pela comunidade – estudantes, ambientalistas, ativistas sociais, produtores culturais, designers, artistas, músicos, circenses, contadores de história, arquitetos, professores, donas de casa e profissionais de todas as áreas.

Venha andando, de bike ou de troleibus

A mobilidade será uma grande atração com passeios a pé, cortejo, oficinas e práticas de ciclismo, parklet, praças impossíveis, além do trólebus, transporte público sustentável elétrico.

Cortejo Prédios - IED / Design: Helena Sbeghen

Programação IED na Virada Sustentável

Viver a Rua > Coletivo NEX > ambientação de modos de aproveitamento do espaço urbano para o lazer informal com espontaneidade;

Pesquisa “Essa Nossa Rua Maranhão” > Coletivo NEX > resultado da pesquisa aplicada na Rua e sua continuidade;

Passeios > Cortejo > Bicicletas

Passeando com > Hey Sampa > passeios guiados pela rua explorando os marcos arquitetônicos da Rua e seus patrimônios históricos, visita à Vila Penteado, ao Condomínio Cinderela, à igreja Santa Teresinha, Colégio Sion e ao IED São Paulo;

Cortejo > Acunpuntura Urbana > atividades criativas para o convívio, cortejo organizado pelos alunos do

IED personificando ambientes e paisagem da Rua e sua história;

Bicicletas Ecológicas > MuzziCycles > passeios com bicicletas produzidas pelo artista e designer Muzzi.

Labs > Oficinas 

Lab São Paulo São > Memória Concreta > estúdio do Portal e marca São Paulo São na Rua com seu CEO, Mauricio Machado captando histórias dos moradores e cidadãos para ser publicado em formato de filmetes no portal e redes sociais. Helena Sbeghen ilustrará as entrevistas.

Lab Cidade >  Liquid Midia Lab | André Deak + Felipe Lavignatti > conversa aberta com o público e coletivos urbanos sobre questões da cidade online live streaming ou periscope.

Oficina Parklet > Mobilidade Urbana > criando parques em estacionamentos com Lincoln Paiva > conversa com os moradores sobre usos e benefícios dos parklets para sua possível implantação;

Oficina Crochê > Coletivo Agulha > através da apropriação dos instrumentais do bordado livre, propõe o resgate da memória afetiva do público para criar redes tecidas de cores para transformar a pele da cidade, vestindo árvores, postes, grades etc.;

Oficina Moda > Roupa Livre > Transformar e dar liberdade para as roupas que não são mais usadas. O movimento Roupa Livre conecta iniciativas e pessoas através de um novo olhar sobre o consumo;

Saborear | Desgustar

Feira Gastronômica > bikefoods e truckfoods variados com propostas gastronômicas diversas;

Feira Verdinova > Produtos ecosustentáveis > design + gastronomia + moda

Bebendo Saúde > Hortifruti > degustação de sucos e chás preparados pela equipe da

Ouvir | Escutar | Intervenções

Performance Multi-Artística  > Guilherme Folco MuLtiSamBofônico > o artista faz um show com sax e outros cinco instrumentos, faz malabares e com monociclo cria uma apresentação única, fundindo som, circo e representação;

Biblocirco > uma bicicleta biblioteca com palhaço, livros, jogos, brincadeiras encantará a Rua

“Praças (Im) possíveis” > Coletivo Bijari > bicicletas que se “transformam” em praças, dando a sensação de levar o espaço público ao lugar que se deseja.

Serviço:

“Venha viver a rua” na Virada Sustentável.

Dia: 30 de agosto, domingo das 12h às 18h.
Onde: Rua Maranhão altura do número 617 (entre a Avenida Angélica e a Rua Aracaju).

Sobre o Istituto Europeo di Design – IED

O Istituto Europeo di Design – IED atua nos campos de educação e pesquisa, em todas as áreas do Design – Estratégico, Produtos, Serviços, Interiores, Gráfico, Digital, Moda, Social e negócios relacionados. Em contínua expansão, suas 11 unidades – presentes no Brasil, Itália e Espanha – já formaram cerca de 150 mil profissionais, provenientes de mais de 100 países.

Em São Paulo, em sua sede no bairro de Higienópolis, como faculdade reconhecida e bem avaliada pelo MEC, oferece cursos de graduação, pós-graduação e extensão, assim como programas de atualização e formação avançada para empresas, entidades e governos. No Rio de Janeiro, abriu sua sede no edifício histórico já ocupado pelo cassino da Urca e pela TV Tupi, onde oferece cursos livres e de pós-graduação.

O São Paulo São apoia esta iniciativa.

Informações para a Imprensa:

Ricardo Peruchi / http://ied.edu.br/


O Teatro Municipal da Mooca Arthur Azevedo, na zona leste, foi reaberto aos cidadão paulistanos na manhã desta última terça-feira (18). Ele estava fechado desde o final de 2011, por problemas como infiltrações, e passou por obras de modernização, ampliação e reforma. Com investimentos de R$ 7,8 milhões, o espaço cultural, que foi inaugurado em agosto de 1952 e completou 63 anos neste mês, ganhou a requalificação da caixa de palco, com a instalação de recursos mais modernos de cenotecnia para teatro e sistema de projeção, nova cabine de controle de som e luz, melhorias na acústica, ar-condicionado com sistemas de controle independentes para palco e plateia, além de poltronas mais confortáveis e adequadas.

A reabertura do Arthur Azevedo se soma às reinaugurações dos teatros Flávio Império, na Penha, que aconteceu no fim de janeiro, e Paulo Eiró, em Santo Amaro, que está prevista para os próximos meses, em um plano municipal para resgatar os chamados teatros de rua na cidade. Além da programação de grandes espetáculos, como um show de Ângela Maria e Cauby Peixoto que acontecerá no próximo dia 28, o teatro mooquense servirá também de sede do Clube do Choro da cidade de São Paulo. Haverá shows do estilo musical um final de semana por mês (de sexta a domingo) e uma roda semanal, aos sábados.

A programação será iniciada nesta sexta-feira (21), com apresentação de um grupo icônico do estilo, Izaías e seus Chorões. “Neste ano, estamos devolvendo para a cidade três teatros completamente reformados e atualizados do ponto de vista do equipamento, seja na acústica ou na iluminação. Esse [Arthur Azevedo] tem uma peculiaridade, porque está sendo devolvido à comunidade com a instalação do Clube do Choro, que é uma tradição antiga da cidade”, afirmou o prefeito Fernando Haddad.

O teatro ainda foi ampliado com um novo prédio anexo de 500 metros quadrados, com cobertura impermeabilizada e sombreamento, além de receber intervenções que garantem acessibilidade plena ao público, atores e funcionários. “Esse anexo é um espaço muito importante, tanto como apoio ao teatro como um local onde poderá funcionar as rodas de Choro, eventualmente, o curso de formação em Choro, que a gente tem intenção de abrir aqui a partir do ano que vem. É um teatro importante, amplo e com esse anexo, ele ficou maior ainda”, disse o secretário municipal da Cultura, Nabil Bonduki.

Além da modernização, o teatro também mudou seu nome, mantendo a homenagem ao dramaturgo maranhense Arthur de Azevedo, mas com inclusão da palavra municipal e o nome do bairro. “A Secretaria está propondo alterar os nomes dos teatros, para dizer que eles são teatros municipais e de onde eles são. Neste caso, já está na placa, ele vai ser chamado assim, e com isso, a gente homenageia a Mooca e também referencia o fato de ser um teatro do município. A cidade tem 11 teatros”, afirmou Bonduki.

“O fato de aqui ser a casa do choro será uma grande notícia para São Paulo, porque os chorões e choronas da cidade terão onde se referenciar geograficamente e institucionalmente. É um passo importante para deflagrar um processo de resgate e progressão do que tem de melhor na Música Popular Brasileira”, disse Haddad.

O Teatro Municipal da Mooca Arthur Azevedo tem projeto original do arquiteto Roberto Tibau e é tombado pelo Conpresp como exemplo de arquitetura modernista em São Paulo. Ele está localizado em um terreno de 3.000 metros quadrados, com 349 lugares sentados, sendo 16 especiais, além de 26 vagas de estacionamento, sendo cinco exclusivas para pessoas com deficiência e mobilidade reduzida. A reforma e modernização conta com projeto da arquiteta Silvana Santopaolo, do Gerenciamento Técnico de Obras da Secretaria Municipal de Cultura. A reinauguração acontece um dia após o aniversário de 459 anos da Mooca.

“Essa entrega é muito importante, porque ele estava há quase quatro anos fechado, passando por reformas e agora é uma realidade, ele é nosso, chega no mês de aniversário e é um grande presente para a Mooca”, afirmou o subprefeito Evandro Reis.

“Esse presente tão aguardado pela Mooca pode nos ajudar ainda mais no desenvolvimento de nosso bairro”, disse o superintendente da Associação Comercial de São Paulo Distrital Mooca, Francisco Parisi.

Também participaram da cerimônia de reabertura os secretários municipais Roberto Garibe (Infraestrutura Urbana e Obras), Simão Pedro (Serviços) e a vice-prefeita Nádia Campeão.

Fonte: Secretaria Executiva de Comunicação.

 


Neste domingo, 16 de agosto, o projeto Piquenique Literário do 'Ler é Uma Viagem' chega ao Parque Villa-Lobos, em São Paulo. Na tarde de domingo, das 14h às 17h, o público poderá conferir gratuitamente o evento que reúne diversas atividades que visam estimular o prazer pela leitura.

O Piquenique Literário tem como símbolo central uma árvore de livros na qual as obras são penduradas, convidando a população a provar as histórias como frutos colhidos na hora. A decoração dos espaços será composta ainda por varais de poesias feito pelo Grupo Reinações de Artesanato e Literatura, formando uma ambientação criativa e agradável. Entre as atrações, os participantes poderão conferir um sarau com leitores públicos, contadores de histórias, músicos e ainda um espaço para troca de livros. “Convidamos a todos para que levem seus livros antigos, pois haverá um espaço reservado para a troca de livros durante os piqueniques”, diz Élida Marques, coordenadora do projeto.

Além disso, o evento conta com a presença de mediadores de leitura que terão o papel de convidar e favorecer o encontro das pessoas com os livros, através de leitura em voz alta, leitura silenciosa, ao pé do ouvido, performances teatrais, entre outras atividades. “Esses mediadores estão passando por uma formação gratuita com a equipe de arte-educadores do Ler é uma viagem, com encontros nos dias que antecedem os piqueniques”, comenta Élida.

Acessibilidade e consultoria ambiental

O Piquenique Literário proporciona a acessibilidade universal e terá a presença de tradutor de Libras, livros em braile e fácil acesso para pessoas com dificuldades de locomoção. Além disso, tem como diferencial a preocupação com o meio ambiente e conta com a consultoria da empresa Cinema Verde, que vai colaborar para que haja uma integração adequada com o ambiente ocupado. “Queremos inspirar o público atendido à prática de ações para diminuir o impacto ambiental no seu cotidiano”, revela.

Sobre o 'Ler é Uma Viagem'

Programa criado em 2003, pela atriz Élida Marques, incentiva práticas leitoras através da mediação de leitura com música ao vivo, leitura pública, saraus, recitais, shows e eventos literários diversos. Realizou mais de 500 apresentações e reuniu um público de mais de 30 mil pessoas que foram sensibilizadas pelo prazer que a leitura literária pode proporcionar.

Os projetos apoiados por leis de incentivo do Ler é uma Viagem ocuparam praças, parques, bibliotecas públicas e principalmente escolas, com histórias de Monteiro Lobato, Guimarães Rosa e Hans Cristian Andersen, entre outros autores. Em andamento, destaque para “Dom Quixote de Lobato”.

Outras informações estão disponíveis no site: www.lereumaviagem.com.br

Fonte: Revista Incluir. 


Artistas e intelectuais abrem neste sábado um imóvel de 250 m2 da família de arquiteto como uma espécie de “República Cultural” no centrão de São Paulo
 
No início, era a garçoniére de Oswald. Agora, é o apartamento da Marieta. No início, era uma mistura de prazer com frisson intelectual. Agora, é principalmente a combustão cultural que é o alvo.
 
Arquitetos e editores, Abílio Guerra e Silvana Romano resolveram contornar os esforços quase sempre estatais e públicos de influir na cena artística e cultural da metrópole e abrem neste sábado um curioso centro de debates no centro de São Paulo.
 
Trata-se do 'Projeto Marieta', um bunker de programação intelectual que envolve áreas como artes plásticas, cinema, arquitetura, música, literatura, dança e televisão, além de oferecer espaços de co-working para atividades de natureza artística.
 
O detalhe é que a base de tudo serão os cômodos compartilhados do apartamento de 250 m2 da família. A sogra de Abílio Guerra (que mantém o portal de arquitetura Vitruvius, um dos mais influentes do País) tinha um apartamento na rua Maria Antonia, 96, em tempos idos. Seu nome era Marieta Filardi (cujo nome hoje batiza o edifício). Na verdade, o prédio inteiro da Maria Antonia era habitado pela família Filardi. Hoje, sobrou apenas o apartamento 2.
 
O mutirão do Apê Cultural já engajou diversos atores sociais. A Vidrotil está ajudando na reforma. A Baraúna está ajudando com os móveis. Na programação inicial, Guto Lacaz, Angelo Bucci, Marco do Valle, Caio Falcão, Lizete Rubano e outros confirmaram presença em debates. O coração da metrópole é o alvo da ação.
 
“A idéia é lançar o projeto cultural e fechar para reforma, com apoio via Catarse (minha editora e outra empresas e pessoas doarão prêmios para a arrecadação); faz anos que queríamos começar algo assim e meus meninos nos deram coragem. O apartamento é bem grande e vai abrigar várias atividades”, me contou o Abílio.
 
 
O programa do Projeto Marieta segue adiante:
 
10h
Café com Guerra
Filmagem do episodio #0 com direção dos Irmãos Guerra.
Guto Lacaz e Marco do Valle batem um papo descontraído e tomam café com Abilio Guerra.
 
12h30
Pénocentro
Passeio guiado com Roney Cytrynowicz e Jeffrey Lesser.
Roteiro 1: Praça da Sé.
Um novo olhar sobre o logradouro como espaço do sagrado e da ordem.
Roteiro 2: Praça da Liberdade.
Lugar de memória afro-brasileira e de invenção da identidade nipo-brasileira.
 - vagas limitadas a 30 participantes; confirme presença através do email.
 
15h
Nova música paulistana.
Caio Falcão e o Bando nova voz do samba-rock contemporâneo, apresenta um show acústico e intimista com as músicas do album 'Tudo Verde'.
 
16h30
Vilanova Artigas - o arquiteto e a luz.
Projeção do documentário dirigido por Laura Artigas e Pedro Gorski sobre vida e obra do grande mestre da arquitetura paulista.
 
17h30
Arquitetura paulista hoje.
Discussão sobre os enfrentamentos dos graves problemas da metrópole paulistana, como segregação social, infraestrutura, espaços públicos e meio ambiente.
 
Debate com Angelo Bucci e Lizete Rubano.
Mostra de fotografias.
Nelson Kon e Tommaso Protti.
 
Os convidados

Ângelo Bucci, arquiteto e doutor em arquitetura e urbanismo pela FAU-USP, onde é atualmente professor de Projetos de Edificações. Destaque da nova geração de arquitetos paulistas, tem fama internacional e soma vários prêmios importantes.
 
Caio Falcão é músico e videomaker. Nome em ascensão no cenário musical paulista, recentemente lançou seu primeiro disco, Tudo Verde.
 
Guto Lacaz, artista multimídia, ilustrador, designer, desenhista e cenógrafo, é formado em eletrônica industrial pelo Liceu Eduardo Prado e em arquitetura pela FAU de São José dos Campos.
 
Jeffrey Lesser é graduado na Brown University e Ph.D. na New York University na área de História da América Latina. Historiador brasilianista, é autor do livro Uma diáspora descontente, sobre a imigração nipônica em São Paulo.
 
Laura Artigas é formada em jornalismo na PUC-SP. Atua como roteirista e diretora na área de cinema.
 
Lizete Rubano é formada em arquitetura e urbanismo na FAU-Mackenzie e doutora pela FAU-USP. Atualmente é professora adjunto II da FAU-Mackenzie, com extenso trabalho em pesquisa na área de habitação coletiva e urbanismo.
 
Marco do Valle é artista plástico formado em arquitetura e urbanismo pela PUC-Campinas e doutor pela FAU-USP. Atualmente é professor doutor MS3 da Universidade Estadual de Campinas, onde ocupou diversos cargos diretivos.
 
Nelson Kon é arquiteto pela FAU-USP. Fotógrafo especializado em arquitetura e cidade, em especial brasileiras, atua desde 1985. Um dos mais importantes profissionais brasileiros da área, suas fotos são publicadas nas principais revistas brasileiras e internacionais.
 
Pedro Gorski é formado em comunicação social pela ESPM e fez especialização em cinema documental na escola Observatório de Cine de Barcelona. Diretor de documentários, atualmente é sócio e diretor criativo da produtora Plataforma.
 
Roney Cytrynowicz estudou economia e história na USP e atua como historiador e editor da Narrativa 1. Em 1994, foi finalista do Prêmio Jabuti na categoria Contos com o livro A vida secreta dos relógios e outras histórias (Scritta).
 
Tommaso Protti é formado em ciências políticas em Roma e é mestre em fotojornalismo e documentário em Londres. Tem fotos divulgadas em publicações de vários países – National Geographic, Le Monde, The New York Times. É membro do Getty Images Emerging Talent.

Serviço:
 
"Projeto Marieta"
15 de agosto, das 10h às 20h.
Rua Maria Paula 96 ap 2 Bela Vista.
São Paulo SP.
Entrada franca.
Para confirmar a presença, é preciso enviar um email, que está no site da Vitruvius:
http://www.vitruvius.com.br/jornal/events/read/1460

Jotabê Medeiros em seu Blogoteca.


APOIE O SÃO PAULO SÃO

Ajude-nos a continuar publicando conteúdos relevantes e que fazem a diferença para a vida na cidade.
O São Paulo São é uma plataforma que produz conteúdo sobre o futuro de São Paulo e das cidades do mundo.

bt apoio