Novas exposições do Masp resgatam mulheres esquecidas pela história

Histórias das mulheres, histórias feministas é o eixo curatorial que guia o museu em 2019 e que pauta as exposições individuais, oficinas, seminários, cursos, palestras e uma mostra coletiva. Mas, neste ano, pela primeira vez, o eixo será tema de duas exposições paralelas.  

A mostra “Histórias das mulheres: artistas antes de 1900” traz narrativas reais, ficcionais, pessoais e documentais de mulheres artistas de diversos países que viveram até o final do século 19, com obras que trazem uma perspectiva das desigualdades entre homens e mulheres. Além de pinturas, uma série de têxteis também vão integrar a mostra. 

“O fato de essas obras se encontrarem, em sua maior parte, guardadas nas reservas dos museus diz muito sobre as políticas desiguais e de subalternidade existentes no interior do mundo e do sistema das artes, dominados por figuras masculinas, em todas as instâncias”, destaca Lilia Schwarcz, curadora-adjunta de histórias e narrativas do Masp que assina a curadoria da exposição junto de Mariana Leme, curadora assistente do Masp e Julia Bryan-Wilson, curadora-adjunta de arte moderna e contemporânea do museu.

Já a segunda exposição trabalha com a era pós anos 2000. A mostra “Histórias feministas: artistas depois de 2000” serve como um contraponto à “História das Mulheres”, mostrando o que há de mais novo elaborado por elas. No contexto contemporâneo, em que as pluralidades ganham força dentro do feminismo, a mostra busca abarcar essa intersecção, trazendo temáticas como classe, raça, etnia, geração, região, sexualidade e corporalidade.

“Admiring Polvo de Gallina Negra, Mistresses of Feminist Art”, Kaj Osteroth & Lydia Hamann, 2016. Imagem: Smina Bluth/Divulgação.

“A ideia não é mapear a produção de artistas a partir de um recorte geracional, mas entender como os feminismos vêm sendo utilizados como ferramentas para desmantelar narrativas e transformar a maneira como algumas histórias vêm sendo escritas. A mostra reúne artistas que têm e não têm o feminismo como questão central de sua obra, mas que, de alguma maneira, abordam assuntos urgentes a partir de perspectivas feministas”, esclarece Isabella Rjeille, curadora da exposição.

Giulia Andreani (1985) na exposição “Histórias Feministas – Artistas depois de 2000.” Foto: Divulgação.

Serviço

Exposições “Histórias das mulheres: artistas antes de 1900” e “Histórias feministas: artistas depois de 2000”.
De 23 de agosto a 17 de novembro de 2019.
Endereço: Avenida Paulista, 1578, São Paulo.
De quarta a domingo, das 10h às 18h; gratuito nas terças-feiras.
Ingressos: R$ 40 (entrada); R$ 20 (meia-entrada).

***
Com informações do MASP.

Tags

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on email
No data was found

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Categorias

Cadastre-se e receba nossa newsletter com notícias sobre o mundo das cidades e as cidades do mundo.

O São Paulo São é uma plataforma multimídia dedicada a promover a conexão dos moradores de São Paulo com a cidade, e estimular o envolvimento e a ação dos cidadãos com as questões urbanas que impactam o dia a dia de todos.