Ooho!: Pelo fim das embalagens, coma a sua água

Interessados em acabar com a poluição causada pelas embalagens, Rodrigo Garcia Gonzales e Pierre Paslier chegaram a um primeiro protótipo um ano depois e agora estão mais perto de realizar seu objetivo, após uma campanha de financiamento coletivo encerrada no último dia 13 de abril.

A empresa Skipping Rocks Lab, fundada pelos dois, anunciou em sua página que conseguiu investidores suficientes e mais de U$ 1 milhão (cerca de R$ 3,104 milhões) para começar a produzir a bolha comestível Ooho! para bebidas, visando atingir o mercado de bancas de rua, festivais e eventos esportivos em 2018.

Os focos especiais serão a próxima Maratona de Londres, em abril, e o Glastonbury, em junho. O Glastonbury é um dos grandes festivais de música do Reino Unido e tem apoio do Greenpeace e da Oxfam. Sempre faz campanhas para diminuir a pegada ambiental do seu público durante os dias dos shows.

Se o Skipping Rocks Lab conseguir colocar suas bolhas nesses dois megaeventos, será um grande teste para o produto: tamanho/volume de líquido ideal para matar a sede, como fazer com o transporte e com a manipulação de grandes quantidades e qual será o tempo de conservação, por exemplo.

Com membranas que podem ser colorizadas, as bolhas Ooho!, são alternativas para vasilhames O protótipo da bolha Ooho! nasceu em 2014 e foi selecionado naquele ano entre os finalistas do Lexus Design Award, uma das mais importantes janelas para projetos de design inovadores. Os criadores também receberam em 2014 o prêmio de Tecnologia Ambiental da Fortune e da Time.

Em depoimento para a Lexus, Rodrigo Garcia Gonzales diz que o projeto se ancorou na técnica culinária da esferificação, patenteada em 1946 pela indústria alimentícia e que foi revisitada pelo chef espanhol Ferràn Adria nos anos 1990 e início dos 2000 no seu restaurante elBulli.

A água é encapsulada em uma membrana gelatinosa dupla feita com extrato de algas e cloreto de cálcio num processo em que acontece a gelificação no exterior do líquido. A membrana pode ser aromatizada e colorida. É comestível e biodegradável –se dispersada no ambiente, dura de quatro a seis semanas para sumir, conforme os fabricantes. Pode receber também uma espécie de rótulo, feito de papel arroz.

Pode ser utilizada para água e outros líquidos, como refrigerantes, bebidas e cosméticos. Segundo a empresa, na sua fabricação, consome cinco vezes menos CO2 e nove vezes menos energia que a produção de uma garrafa PET, tornando-se mais barata que esta.

Com membranas que podem ser colorizadas, as bolhas Ooho!, inventadas pela empresa Skipping Rocks Lab, são alternativas para o vasilhames de plástico. Foto: Divulgação.

O Skipping Rocks Lab ambiciona ser o principal produtor global de embalagens feitas com algas marinhas. Com isso, quer “impedir que 1 bilhão de garrafas plásticas alcancem o oceano a cada ano e que 300 milhões de quilos de CO2 sejam emitidos”. “Pense fora da garrafa, invista no Skipping Rocks Lab”, brincava o vídeo da campanha de financiamento. Ooho!

***
Mara Gama é jornalista com especialização em design, roteirista e consultora de qualidade de texto. Artigo publicado originalmente em seu blog na Folha de S.Paulo.

 

Tags

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on email
No data was found

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Categorias

Cadastre-se e receba nossa newsletter com notícias sobre o mundo das cidades e as cidades do mundo.

O São Paulo São é uma plataforma multimídia dedicada a promover a conexão dos moradores de São Paulo com a cidade, e estimular o envolvimento e a ação dos cidadãos com as questões urbanas que impactam o dia a dia de todos.