Patinete elétrico chega a 10 capitais, mas ainda sem regulamentação

Os patinetes elétricos já estão nas capitais São Paulo, Rio, Florianópolis, Goiânia, Curitiba, Recife, Porto Alegre, Brasília, Belo Horizonte e Vitória, além dos municípios paulistas de Santos, Campinas e São José dos Campos. São Paulo foi a primeira cidade brasileira a ter as ruas invadidas pelos patinetes compartilhados, em agosto, mas a expansão país afora ganhou força mesmo no início do ano.

Pela lei, os equipamentos não podem passar de 20 km/h em ciclovias e ciclofaixas e de 6 km/h nas calçadas, segundo regra do Conselho Nacional de Trânsito (Contran). Porém, cabe aos órgãos e às entidades de trânsito representativas das cidades e do DF regulamentar o uso.”As autoridades foram atropeladas pela novidade. Não foi algo que partiu do Executivo. Alguém teve a ideia de empreender e aconteceu”, diz Sérgio Ejzenberg, engenheiro e mestre em Transportes pela Universidade de São Paulo. Para ele, a discussão deve ser feita com calma, e é preciso entender se o patinete é modismo ou tem futuro.

Em São Paulo, a gestão vem conversando com outras prefeituras, como as de Nova York e Paris, para analisar as experiências. Foto: DPA.

Em São Paulo, a gestão vem conversando com outras prefeituras, como as de Nova York e Paris, para analisar as experiências. Após discussões com as empresas de compartilhamento, a Secretaria Municipal de Mobilidade e Transportes criou, em janeiro, um grupo para conduzir a regulamentação. O que se sabe por enquanto é que “os equipamentos precisarão ser seguros, confiáveis e de qualidade e não poderão ser estacionados de modo que impeçam ou atrapalhem o caminho e a circulação dos pedestres”, disse a Prefeitura.

A gestão Bruno Covas (PSDB) já manifestou intenção de vetar os patinetes nas calçadas. Para Ejzenberg, a proibição de uso nas calçadas e a restrição às ruas e ciclovias faz sentido. “O patinete na calçada vai ser uma fonte de acidente.”Na Avenida Paulista, embora a maioria opte por andar na ciclovia, não é raro que patinetes circulem na calçada, em meio a pedestres e bancas de ambulantes. “Como alternativa de mobilidade é ótimo, mas precisa ter alguma regra. Não devia permitir na calçada – tem gente que extrapola e anda muito rápido. Já vi pessoas caindo”, disse a cabeleireira Vilma Souza, de 47 anos. Já o artesão Dionísio Silva, de 29 anos, não vê problemas. “Só facilita. Às vezes a gente precisa fazer uma caminhada e com o patinete é rápido. Não acho que o Estado precisa impor uma regra: as pessoas vão se entendendo.”Em Santos, a prefeitura alertou para a possibilidade de multa de R$ 195,23 para quem deixar o equipamento na rua – é infração grave uso da via pública como depósito, diz a gestão. A retirada e a devolução devem ocorrer em áreas privadas, conveniadas com a empresa do serviço.

Dados compartilhados

Valem as velocidades do Contran, e os moradores podem denunciar infrações às empresas, pelo 156 e pelo app Vitória Online. Foto: Sou ES Notícias.Vitória (ES) foi uma das primeiras cidades a criar regras. Os dados de uso terão de ser compartilhados pela empresa com a prefeitura, e as companhias só poderão ampliar o número mediante autorização. Além disso, os equipamentos “devem ser colocados em locais que não prejudiquem a livre circulação de pedestres”, diz o secretário de Desenvolvimento Márcio Passos. Valem as velocidades do Contran, e os moradores podem denunciar infrações às empresas, pelo 156 e pelo app Vitória Online.

No Rio, um decreto em caráter experimental disciplinou o uso dos patinetes em dezembro, e um definitivo está em elaboração. Por enquanto, quem usa o equipamento deve seguir a determinação do Contran. Em nota, a prefeitura do Rio informou que os órgãos responsáveis farão a fiscalização das regras e que até a semana passada não havia registro oficial de acidentes com patinete compartilhado.

Velocidade e pouco esforço

Patinetes elétricos compartilhados são sensação no Centro. Foto: Márcia Foletto / O Globo.No Centro do Rio de Janeiro, os patinetes elétricos podem ser encontrados ao longo da movimentada Avenida Rio Branco, via ladeada por grandes edifícios comerciais. Também estão espalhados por ruas próximas e na Praça Mauá, ponto turístico que abriga o Museu do Amanhã, no início da Rio Branco. A circulação de patinetes é grande pela praça ao longo de todo o dia. “É um serviço legal, carrega rapidinho. Funciona tanto para passeio como meio de transporte para trabalho. É eficiente e rápido”, diz entusiasmada a estudante de pedagogia Iara de Oliveira. Brasiliense, ela foi ao Rio a passeio e testou os patinetes. “É até melhor que a bicicleta, faz menos esforço. É só ficar em cima e se equilibrar.”

Manter-se em pé no equipamento é fácil, segundo os usuários – mesmo para aqueles que usaram o patinete pela primeira vez. “Nos primeiros dois, três minutos, deu uma insegurança, mas depois foi ao natural”, conta a militar Jaqueline Macedo, que acabou repetindo o passeio no mesmo dia. Ela alerta, porém, para a velocidade que o patinete elétrico pode alcançar. “Achei um pouco alta. Se não me engano o visor chegou a registrar 30 km/h. Dá para controlar, mas depende de você. Eu fiquei na média de 12 km/h”, diz. A estudante de Letras Samira Ferder foi da Ilha do Governador, onde mora e os patinetes não são oferecidos, até a Praça Mauá para testar o equipamento. Ela gostou do serviço, apesar de achar que acaba sendo mais caro do que o aluguel de bicicletas. “Para quem mora perto do trabalho, acho que vale a pena até mesmo como meio de transporte. Mas, se for longe, não, pelo custo”, afirma. O advogado Emmanuel Biar já incorporou o equipamento na rotina. Ele faz diariamente de patinete o percurso entre o escritório na Rio Branco e a sede da Justiça Federal.

***
Por Juliana Diógenes (São Paulo) e Marcio Dolzan (Rio de Janeiro), Estadão Conteúdo.

Tags

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on email
No data was found

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Categorias

Cadastre-se e receba nossa newsletter com notícias sobre o mundo das cidades e as cidades do mundo.

O São Paulo São é uma plataforma multimídia dedicada a promover a conexão dos moradores de São Paulo com a cidade, e estimular o envolvimento e a ação dos cidadãos com as questões urbanas que impactam o dia a dia de todos.