Projeto espalha ‘florestas de bolso’ por São Paulo

 

Em comum, um projeto: espalhar mudas de árvores nativas da Mata Atlântica pela capital, formando pequenos bolsões verdes, ou “florestas de bolso”, como apelidou o idealizador do plano, o botânico Ricardo Cardim.

Assim como preconiza a Organização Mundial da Saúde, Cardim também está divulgando o projeto com um viés de saúde pública. “Vai além do resgate da biodiversidade, da busca do equilíbrio ecológico, mas também para aumentar a qualidade de vida das pessoas que vivem em um ambiente tão urbanizado.

Mapeamento dos remanescentes de Mata Atlântica na capital, lançado pela Secretaria do Verde no final de junho, apontou que fragmentos do bioma cobrem 30% da área da cidade de São Paulo, mas a grande maioria está nos extremos sul e norte. No miolo, onde de fato as pessoas vivem, há poucas e pequenas manchas, como os parques Trianon e Alfredo Volpi, e o que foi denominado como bosques heterogêneos, como a Praça da República.

Cardim está empenhado em melhorar esse percentual. Para isso, tem feito mutirões com a população e buscado parcerias com o setor privado para ajudar a financiar as mudas, e com o setor público para conseguir os espaços para o plantio.

Foi o caso do Pinheiros, que pela primeira vez viu árvores sendo plantadas exatamente onde elas deveriam existir, nas margens do rio, formando matas ciliares. Ali, houve autorização do Estado. Na Avenida Brasil, da Prefeitura. Mas os dois governos não entraram com dinheiro.

Desde o início do ano, já foram plantadas oito florestas de bolso, de 15 a 500 metros quadrados. A maior é a do Parque Cândido Portinari, um anexo do Villa-Lobos que foi criado para servir de parque, mas praticamente não tinha vegetação. Foram plantadas 700 árvores, de araucária a pitanga.

“Até três anos atrás, ali era um depósito de material de construção do metrô, havia tubos de concreto de toneladas em cima da terra. Transformaram em parque, foi ótimo, mas ficou pelado. Nosso sonho é que fosse o parque da biodiversidade paulistana, um museu vivo da natureza de São Paulo”, contou aoEstado.

“Com mais floresta de bolso, teremos um amortecimento da poluição urbana. Tem um viés de educação ambiental e as pessoas vão melhorar fisicamente e mentalmente”, defende.

Siga a página do projeto no Facebook.

***
Por Giovana Girardi no Blog Sustentabilidade do Estadão.

 

Tags

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on email
No data was found

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Categorias

Cadastre-se e receba nossa newsletter com notícias sobre o mundo das cidades e as cidades do mundo.

O São Paulo São é uma plataforma multimídia dedicada a promover a conexão dos moradores de São Paulo com a cidade, e estimular o envolvimento e a ação dos cidadãos com as questões urbanas que impactam o dia a dia de todos.