Santos, um retiro turístico encantador para quem mora na cidade de São Paulo

E uma das cidades que mais chamam a atenção nesse sentido é Santos. Localizada na Ilha de São Vicente, fica a 80 quilômetros da capital, e indo pela Rodovia Imigrantes é possível chegar em menos de 1 hora. Famosa pelo time de futebol e também por suas belas praias, Santos tem muito mais a oferecer, a começar por seu centro, ponto tradicional e imperdível da cidade.

O Centro histórico de Santos guarda boa parte de sua tradição, afinal foi o primeiro bairro da cidade. Em suas ruelas encontramos construções históricas que hoje merecem uma visita, como a Fundação Arquivo e Memória de Santos, a FAMS. No prédio construído na década de 40 foi restaurado em 2012 e guarda os acervos iconográfico e cartográfico da cidade.

Vale lembrar que o local cresceu e se desenvolveu muito no período conhecido como Ciclo do café. Na época foi inaugurada a ferrovia e feitos avanços consideráveis. O café, aliás, é tão importante para a cidade que conta até com um museu dedicado a ele: O Museu do Café. Lá é possível traçar um pouco da história e do movimento e ter uma ideia da importância da cafeicultura para o país. No Museu que funciona no palácio da antiga Bolsa Oficial de Café também são encontrados objetos de época e são apresentadas exposições e oferecidos cursos para baristas, com agendas divulgadas previamente.

Casa da Frontaria Azulejada. Imagem: Reprodução.

Outro edifício que chama a atenção é a Casa da Frontaria Azulejada, uma das principais obras arquitetônicas da cidade e que foi construída em 1865. O espaço cultural atualmente oferece espetáculos e também traz exposições temporárias. Por causa da beleza do local, que conta com uma incrível fachada com azulejos e influência neoclássica, a Casa azulejada serviu de cenário para várias novelas e séries.

Ainda no centro é possível visitar o Casarão do Valongo, construído no século 19 perto da estação ferroviária. O casarão abriga um museu dedicado ao jogador Pelé, trazendo fatos, fotos e objetos que relembram a trajetória do maior jogador de futebol do mundo. Próximo fica o Santuário de Santo Antônio do Valongo, construído em estilo barroco e que traz murais de azulejos da década de 30.

Estando pelo centro, também é possível dar uma paradinha em uma de suas cafeterias e lanchonetes ou visitar outros edifícios como o Palácio José Bonifácio (Sede da prefeitura), Pantheon dos Andradas (onde está enterrado José Bonifácio de Andrada e Silva, um dos nomes da Independência do Brasil) e o Teatro Coliseu (construído no início do século 20 e que teve em seu palco nomes famosos da época).

Como ir? De bondinho!

O bonde é uma excelente opção para acessar vários locais do Centro. Santos possui uma linha turística que passa por mais de 40 pontos históricos da cidade e tem sua estação de partida na Estação do Valongo. Vindos da Europa, os próprios bondes carregam grande história que é contada por seus guias. Mas para acessá-los é necessário agendamento prévio.

Outra opção também bem vinda é pegar o funicular e subir o Monte Serrat. Também conhecido como Morro de São Jerônimo, o local é ligado ao centro através de um charmoso funicular que leva cerca de 4 minutos para chegar ao topo enquanto oferece uma vista privilegiada. No Monte é possível encontrar palacetes construídos na década de 20 e visitar o Santuário de Nossa Senhora, assim como o prédio que abrigava o cassino. 

O Funicular do Monte Serrat. Imagem: Reprodução.

O cassino Monte Serrat ficava no topo do funicular e foi inaugurado em 1927, e trazia muitos visitantes ao local. Do seu terraço era possível ver o casario abaixo do morro, assim como os bairros do entorno. O local movimentava a economia local e se tornou ponto de encontro de figuras ilustres. Um fato curioso é que, por possuir esse caráter turístico e histórico, Santos continua sendo citada como uma das cidades ideais para construção de cassinos, caso a lei de retorno dos mesmos seja enfim aprovada. O fato de ter uma região litorânea tão atrativa também é um dos pontos positivos.

E em se tratando de Santos, não há como não falar de suas praias. A cidade possui belas praias em seu perímetro urbano que merecem um passeio um pouco mais demorado, sendo a mais famosa a Praia do Gonzaga. O bairro tradicional agrada quem gosta de encontrar tudo por perto: lá é possível acessar shoppings e ter acesso a vários restaurantes na orla. 

Praça das Bandeiras, na praia do Gonzaga. Imagem: Reprodução.

Mas o badalado bairro também tem algumas atrações à parte como a Praça da Independência e a Praça das Bandeiras, que são separadas por uma charmosa faixa de areia forrada por palmeiras. E aqui vai mais uma curiosidade: a praça das Bandeiras construída em 1936 foi feita em homenagem aos feitos da cidade na Revolução de 32, e por isso a fonte no centro da praça é chamada de 9 de julho.

Além desse caráter histórico, o visitante pode apenas se deixar levar e caminhar nos jardins da orla, os maiores em extensão do mundo, segundo o Livro dos Recordes. Na praia que se estende por 5 km e atravessa 7 bairros é possível também jogar tamboréu ou sentar próximo a alguns dos quiosques para se refrescar no final da tarde. 

Aliás, acompanhar o pôr do sol na praia é mais um excelente programa para quem deseja relaxar em Santos. Fechando o passeio, é possível avistar várias fontes, sendo a do Sapo a mais famosa delas. Não é incomum encontrar famílias inteiras passeando de bicicleta no local e aproveitando o clima. Diante de tantos atrativos, podemos perceber o porquê da cidade ser a escolha de tantos paulistas para um refúgio necessário.

***
Da Redação.

 

Tags

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on email
No data was found

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Categorias

Cadastre-se e receba nossa newsletter com notícias sobre o mundo das cidades e as cidades do mundo.

O São Paulo São é uma plataforma multimídia dedicada a promover a conexão dos moradores de São Paulo com a cidade, e estimular o envolvimento e a ação dos cidadãos com as questões urbanas que impactam o dia a dia de todos.