Satisfação de ter um parque ao lado está ligada a nossos ancestrais

O motivo pode estar conectado às origens do Homo sapiens, que surgiu na África há cerca de 200 mil anos em regiões de savana, isso é, um relevo caracterizado pela presença de vegetação baixa e pequenas árvores espalhadas – nada muito diferente de um parque urbano. É o chamado “Princípio da Savana”.

As ligações que fazemos com o ambiente ancestral

O psicólogo e linguista Steven Pinker, professor da Universidade de Harvard e autor do livro “Tábula Rasa”, que explora os aspectos inatos do ser humano, cunhou a teoria do Princípio da Savana. De acordo com ele, o cérebro humano evoluiu muito pouco desde a época em que vivia em savanas africanas, há milhares de anos.

De acordo com Pinker, e outros psicólogos evolucionistas, o cérebro humano teria dificuldade em lidar e compreender elementos e situações que não existiam no ambiente ancestral.

Um exemplo está neste estudo recente da Sociedade Britânica de Psicologia, que propõe “A Teoria da Savana da Felicidade” ao identificar que habitantes de áreas muito populosas tendem a se sentir mais insatisfeitos com a vida. “Nossos ancestrais viviam como caçadores em pequenos bandos de até 150 pessoas”, escreveram os pesquisadores.

Outros estudos falam sobre como nosso cérebro lida com estímulos antes inexistentes, como a televisão, de maneira a adaptar as reações biológicas àquelas que conhecemos da época de Homo sapiens.

Para Pinker, nosso corpo e cérebro sofreram milhões de anos de adaptação e evolução para viverem em uma savana, e isso impacta a maneira como experimentamos o mundo moderno, tão diferente desse ambiente. Ainda que seja possível contornar essas reações de maneira consciente, a reação química e biológica segue sendo a mesma.

Fundamentalmente, a savana – e isso também vale para cerrados e pradarias – tem elementos favoráveis para a sobrevivência do Homo sapiens como espécie selvagem. A ausência de montanhas permitem luz abundante, a vegetação baixa impede que os predadores espreitem e as poucas árvores garantem visão do horizonte e alimento.

Parece a descrição oposta de uma grande cidade, que exibe pouco verde, muros de concreto e horizonte bloqueado por prédios. Estudos mostram que os cérebros de indivíduos que vivem em grandes cidades não lidam tão bem com estresse quanto aqueles dos que vivem no campo.

Além disso, viver em grandes cidades vaumenta entre 21% as chances de uma desordem de ansiedade e 39% as possibilidades de uma desordem de humor.
***
Por Ana Freitas no Jornal NEXO.

 

Tags

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on email
No data was found

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Categorias

Cadastre-se e receba nossa newsletter com notícias sobre o mundo das cidades e as cidades do mundo.

O São Paulo São é uma plataforma multimídia dedicada a promover a conexão dos moradores de São Paulo com a cidade, e estimular o envolvimento e a ação dos cidadãos com as questões urbanas que impactam o dia a dia de todos.