Sete constatações pessoais sobre a barulheira de viver em São Paulo

Há gente que reclamou de barulhos de helicópteros, de cachorros, de carros, de bares. Outros foram incisivos: os piores barulhos da cidade são aqueles que acontecem à noite, no descontrole sonoro da vida noturna e na ausência de capacidade do PSIU de fiscalizar todo mundo.

Alguns, nostálgicos, lembram da dificuldade que é achar algum bar ou restaurante que não tenha uma televisão ligada, emitindo mais barulho. Finalmente, houve quem trouxesse informações técnicas bem vindas sobre como barrar a barulheira em casa, usando cortinas, materiais de vedação, etc.

Diante de todos esses comentários, é animador pensar que há mais pessoas dispostas e brigar para ter uma cidade mais silenciosa, ou, no mínimo, menos barulhenta. Aqui vão algumas conclusões sobre esse estudo tão pessoal quanto incompleto:

1. Nossas ruas estão permanentemente no limite

A partir dos 65 dB, entramos no “patamar moderado de risco à saúde”. Como o nível básico de ruído das ruas é próximo disso, qualquer barulho novo já rompe esse limite: uma buzina, uma freada, um motor arrancando.

  • Av. Faria Lima com movimento normal 69 dB.
  • Av. Faria Lima com carros batendo na tampa de um bueiro solta 80 dB.
  • Av. Faria Lima com homens cortando uma calçada com serra 86 dB.

2. Os motoristas não ouvem o barulho que eles próprios fazem

Eu fiz o teste. De dentro do meu carro, apertei a buzina e medi:

  • 76 dB, medidos de dentro do carro.
  • 87 dB, medidos de fora do carro.

Ou seja, quando um motorista resolve meter a mão na buzina para chamar a atenção do carro da frente que está falando no celular, as únicas pessoas que ele está punindo são aquelas que não tem nada a ver com a história: são os pedestres, os passantes, quem está em casa. Se as buzinas fossem viradas para dentro dos carros, motoristas iriam entender isso mais facilmente.

3.  Para os motoristas e motociclistas paulistanos, a buzina é um modo de expressão

  • Avenida Rebouças sem motos – 70 dB.
  • Avenida Rebouças com motos buzinando – 81 dB.

A fila de motos buzinando insistentemente entre as faixas de rolamento é tão frequente que virou parte da paisagem paulistana. Como se fosse razoável, acostumamo-nos com isso.

Os motoristas de carro também exercitam suas buzinas, fazendo tremer os pedestres. No meu ranking pessoal, constatei que a buzina mais alta é a dos carros de marca Honda Civic, com 92 dB. Desconheço a razão técnica, mas se você for dono de um carro desses, pense muito antes de buzinar. Os pedestres, os fregueses da loja ao seu lado e a mãe que acabou de colocar um bebê para dormir no quarto andar do prédio em frente vão agradecer.

O ranking pessoal dos barulhos de São Paulo

4. Lugares fechados também são nocivos ao ouvido

  • Avenida Eusébio Matoso em frente ao Shopping Eldorado – 75 dB.
  • Praça de Alimentação do Shopping Eldorado – 82 dB.

Enfermeira na tradicional posição de pedido de silêncio.5. Motos são barulhentas. Mas Harley Davidson é um caso a parte

  • Moto Harley Davidson acelerando na frente do cemitério da Av. Dr. Arnaldo – 95 dB.

Esse foi o nível mais alto de ruído que eu consegui gravar com o decibelímetro. Deve haver muitos outros mas esse barulho impede que você faça qualquer outra coisa. Durante 30 segundos, o dono da moto impõe sua vontade a todo um quarteirão. Na Grécia antiga, o termo para quem não se importava com a coisa pública era “idiota”. Acredito que a palavra possa ser usada num caso desses.

6.  Os ônibus e o metrô mereceriam um tratamento acústico

Um motorista de ônibus quando acelera, está “jogando”:

  • 90 dB em quem está parado no ponto.
  • 84 dB em quem está dentro do ônibus.

O metrô também é mais barulhento para quem espera nas estações. Quando aparece o trem, o nível do barulho vai até 87 dB. Tecnicamente, fiquei sabendo que é muito possível reduzir esses barulhos, com equipamentos mais modernos e motores mais novos.

7. No fundo, no fundo, nossa cultura parece não dar nenhuma atenção ao barulho

  • Padaria com TV ligada – 69 dB.
  • Padaria com TV desligada – 60 dB.

Achamos natural que exista música, barulho, imagens em todos lugares. Mas será que é tão ruim assim ficar um pouco em silêncio?

  • Rua residencial sem carros num domingo de manhã – 45 dB.
  • Rua residencial quando passa um carro no mesmo horário – 59 dB.

E de vez em quando, diante da visão alentadora de uma rua sem carros, em vez de ouvir pessoas, ouvimos mais música alta.

  • Avenida Paulista sem carros 64 dB.
  • Show de forró na Avenida Paulista 75 dB.

Outro dia, resolvi achar um lugar silencioso em São Paulo e fui à biblioteca pública Álvaro Guerra, que fica no Alto de Pinheiros. Queria um lugar calmo para estudar e ler. Fui surpreendido pela conversa do guarda com a recepcionista. Eles riam alto. Quando pararam, o telefone tocou e uma atendente começou a conversar em voz alta com alguém. Desisti. Não dá para lutar contra uma cultura que desrespeita o silêncio até numa biblioteca.

***
Mauro Calliari é administrador de empresas, mestre em urbanismo e consultor organizacional.  *Artigo publicado originalmente no blog Caminhadas Urbanas no Estadão.

Tags

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on email
No data was found

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Categorias

Cadastre-se e receba nossa newsletter com notícias sobre o mundo das cidades e as cidades do mundo.

O São Paulo São é uma plataforma multimídia dedicada a promover a conexão dos moradores de São Paulo com a cidade, e estimular o envolvimento e a ação dos cidadãos com as questões urbanas que impactam o dia a dia de todos.