‘Tudo é Passageiro’ mostra ascensão e queda dos bondes em São Paulo

O extermínio das linhas de bondes aconteceu gradualmente a partir dos anos 60 por interesses particulares e a visão imediatista dos nossos governantes. Entre os fatores, o desejo de que o carro se tornasse o transporte principal nas cidades brasileiras, a aposta no ônibus a diesel como “solução moderna” e alguns probleminhas técnicos dos bondes, que não recebiam investimento algum. Foi também nesse ano de 1968 que o metrô paulistano foi inaugurado, mas prosseguiu sem muita convicção.

A partir dos anos de 1930, a cidade cresceu mais ainda e os atendiam esta expansão mais rapidamente. Eram simples e não exigiam tanta infraestrutura.

Para o arquiteto e urbanista Ayrton Camargo e Silva, autor do livro “Tudo é Passageiro”, que conta a história do transporte sobre trilhos em São Paulo, “naquela época, o transporte coletivo saiu da agenda dos governantes. O país optou por uma industrialização a curto prazo e escolheu o automóvel como ponta de lança desse processo”.

O autor mostra que uma crise de abastecimento de energia ocorrida na década de 20 restringiu a circulação dos coletivos elétricos e quebrou o monopólio da Light, estimulando o surgimento dos ônibus movidos a combustível.

Em 1968, Camarão dava adeus a São Paulo. Acervo – Estadão.

O famoso Plano de Avenidas do prefeito Prestes Maia, que direcionou pesados investimentos para obras viárias e serviu de base para a estruturação urbana em décadas posteriores, empurrou ainda mais os bondes para o esquecimento. Após anos de sucateamento, eles seriam finalmente extintos em 1968.

A obra possui imagens fotográficas, ilustrações e charges, além de biografia que conta o início e o extermínio dos bondes na capital paulista.

Foi o prefeito Prestes Maia quem decidiu pelo sucateamento dos bondes elétricos, mas a despedida aconteceu mesmo sob a gestão do prefeito Faria Lima, em 27 de março de 1968. Na despedida, que reuniu cinco mil pessoas e contou com banda, fogos e cantoria, a viagem derradeira ocorreu com os veículos cobertos por faixas onde se lia: “A Viagem do Adeus” e “Rendo-me ao progresso, viva São Paulo”.

Na contramão da mobilidade

Uma ironia, porque foi a partir desse dia, em que os trilhos foram enterrados nas ruas, que os congestionamentos começaram a crescer de forma exponencial em São Paulo e em outras cidades brasileiras. Na verdade, o país preferiu o caminho das estradas do que dos trilhos, indo na contramão dos países desenvolvidos.

VLT na zona central do Rio de Janeiro. A Prefeitura do Rio batizou os trens com nomes de personalidades ilustres. Foto: Divulgação.

Em Nova York e em várias cidades europeias o bonde tem sido resgatado de forma muito bem-sucedida. No Rio de Janeiro, o VLT Carioca, inaugurado em 2016, integra todos os meios de transporte do Centro e da Região Portuária – barcas, metrô, trem, ônibus, rodoviária, aeroporto, teleférico, terminal de cruzeiros marítimos – em uma rede de 28 km. Um alento para todos nós, que buscamos um sistema de transporte inteligente, sustentável, barato e eficiente. Precisamos pegar de volta o bonde da história e os trilhos urbanos para não ficarmos parados no atraso dos congestionamentos e da poluição infernal.

***
Fonte: Metro Jornal.

 

Tags

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on email
No data was found

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Categorias

Cadastre-se e receba nossa newsletter com notícias sobre o mundo das cidades e as cidades do mundo.

O São Paulo São é uma plataforma multimídia dedicada a promover a conexão dos moradores de São Paulo com a cidade, e estimular o envolvimento e a ação dos cidadãos com as questões urbanas que impactam o dia a dia de todos.