Vila autossustentável poderia ser o futuro do habitat semi-urbano

 
Criado pela empresa holandesa ReGen Villages B.V. e pelo escritório de arquitetura EFFEKT, de Copenhague, o novo modelo propicia a implementação de comunidades autossustentáveis, desligadas das redes públicas de abastecimento, em qualquer parte do globo.
 
O primeiro local a receber o projeto será Almere, nos Países Baixos, onde as obras terão início ainda este ano.
 
Os fenômenos cada vez mais evidentes de aquecimento global, crescimento populacional, crise de alimentos e escassez de recursos levou a equipe de projeto a considerar como um empreendimento holístico poderia atenuar as perigosas consequências do habitar humano. Um dos principais motores da destruição ambiental e diminuição da biodiversidade continua sendo a agricultura, assim, a equipe faz uso de um modelo agrícola sustentável para nortear o sistema de projeto.
 
 

Habitantes urbanos de todo o mundo trabalham duro para pagar pelas comodidades de seus lares, como hipoteca, energia, água e aquecimento, resfriamento e alimentação. Concebemos casas que trabalham para você, produzindo energia e água limpas e alimentos estando desconectada da rede de abastecimento e em terrenos com custo acessível fora de nossas grandes cidades, comentou Sinus Lynge, cofundador do EFFEKT.

Imagem: escritório de arquitetura EFFEKT, de Copenhague.
 

A ideia combina diversas tecnologias de ponta, como o uso de energia renovável, armazenamento de energia, produção de alimentos orgânicos, cultivo vertical de hidropônicos, manejo de água pluvial etc.

Enquanto metade da população global vive nas cidades, o sistema ReGen poderia reduzir a dependência dos moradores da vida urbana. Isso abriria uma nova onda de desenvolvimento periférico e rural, gerando uma densidade mais distribuída de pessoas na superfície do planeta. 

Imagem: escritório de arquitetura EFFEKT, de Copenhague.

A redistribuição de densidade fomentaria “um modelo que acrescenta não apenas valor ambiental e financeiro, mas também social, criando uma estrutura de empoderamento para famílias e desenvolvendo um verdadeiro sentido de comunidade, reconectando as pessoas com a natureza e o consumo com a produção.” Isso traz de volta um sentido de realização que acompanha os benefícios ambientais e sociais, fazendo deste um modelo sustentável de longo prazo. 

Imagem: escritório de arquitetura EFFEKT, de Copenhague.

Após buscar por fundos de investimento, a ReGen comprará alguns terrenos adequados e contratará consultores locais para auxiliar na implementação do novo modelo. 

Após uma aparição no pavilhão dinamarquês na Bienal de Veneza deste ano, a comunidade piloto ReGen Village, com 100 residências, será construída em Almere, Países Baixos, ainda este ano.

***
Por Lauren Crockett no Arch Daily. *Tradução Romullo Baratto.

Tags

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on email
No data was found

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Categorias

Cadastre-se e receba nossa newsletter com notícias sobre o mundo das cidades e as cidades do mundo.

O São Paulo São é uma plataforma multimídia dedicada a promover a conexão dos moradores de São Paulo com a cidade, e estimular o envolvimento e a ação dos cidadãos com as questões urbanas que impactam o dia a dia de todos.