Zé Celso remonta o espetáculo ‘Bacantes’, a sua ‘tragycomediorgya‘

Maluf foi convidado a assumir o papel de Penteu de As Bacantes, o rei que, conforme Ésquilo, Eurípedes e Sófocles, ofendera os deuses. O político contracenou com Elke Maravilha no papel de Dionísio. Teve atuação irrepreensível, segundo Zé Celso.

Na atual encenação, o deus do teatro é interpretado por Marcelo Drummond, a repetir protagonismo da segunda versão da peça, em 1995, em cuja temporada carioca Caetano Veloso foi arrancado da plateia para ser despido e “estraçalhado” ritualmente pelas sacerdotisas de Baco, cena central também no atual espetáculo de cinco horas (com dois intervalos), com início no final da tarde e ingresso vedado a menores de 18.

Desta vez, mais que apóstata, o rei Penteu de Tebas será retratado como um golpista, por Fred Steffen. Entre os 108 nomes da ficha técnica encontram-se nomes já históricos na trajetória do teatro, como as cantoras Mariana Moraes e Letícia Coura (Hino e Autonoe), além de Sérgio Siviero (Kadmos e Satyro), Camila Mota (Semele, mãe de Dionísio), Vera Barreto Leite (Hera), Joana Medeiros (Agave) e Roderick Himeros (Pã).

O Sesc-SP e o Itaú Cultural dão apoio à recriação, que há 20 anos foi estreada pela segunda vez no anfiteatro grego do Sesc Ribeirão Preto. No Sesc Pompeia, porém, a arquitetura de Lina Bo Bardi endossa a montagem, antes de temporada no edifício do Oficina projetado no Bexiga pela italiana. Há um mês, o teatro foi eleito “o mais bonito teatro do mundo”, conforme a revista inglesa The Guardian.

Com Zé Celso no papel do profeta cego Tirésias, a montagem também comemora a vizinhança dos 80 anos do diretor, que ao fim de meses de ensaio tem repetido bordão do uruguaio José Mujica, segundo o qual “as metralhadoras são ineficazes para a revolução, hoje possível só culturalmente”.

Serviço

As Bacantes

Dias 21, 22 e 23 no Teatro Sesc Pompeia (SP).
Duração: 6 horas, incluindo 2 intervalos.
Venda limitada a 04 ingressos por pessoa.
O espetáculo não terá lugares marcados e serão vendidos na modalidade sequencial. Para pessoas com dificuldade de locomoção haverá reserva das primeiras fileiras do Teatro. 

A partir de 28 no Teatro Oficina.

***
Por Alvaro Machado em Carta Capital.

 

Tags

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on email
No data was found

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Categorias

Cadastre-se e receba nossa newsletter com notícias sobre o mundo das cidades e as cidades do mundo.

O São Paulo São é uma plataforma multimídia dedicada a promover a conexão dos moradores de São Paulo com a cidade, e estimular o envolvimento e a ação dos cidadãos com as questões urbanas que impactam o dia a dia de todos.