Mostra Internacional de Teatro de SP terá racismo e política como temas

Com grade de dez peças, a terceira edição da MITsp (Mostra Internacional de Teatro de São Paulo), que começa no dia 4 de março, retorna às questões sobre a construção de narrativas, como se quisesse nos dizer que não, esse não é uma velho problema.
 
O diretor artístico da mostra, Antonio Araújo, exemplifica a abordagem, considerada por ele um dos pilares de sua curadoria neste ano: o espetáculo “Cinderela”, que abre o festival no Auditório Ibirapuera, retoma a conhecida fábula dos irmãos Grimm para reconstruí-la linearmente de forma “toda estranha”.
 
A peça tem pássaros que se estatelam em uma casa de vidro. “O espectador percebe a colisão, mas em nenhum momento a montagem materializa isso visualmente”, adianta.
 
Em destaque este ano, o autor e diretor francês Joël Pommerat traz para o festival duas montagens: “Ça Ira”, ficção política contemporânea inspirada na Revolução Francesa e desenrolada com menções à direita em ascensão na Europa; e “Cinderela”, adaptação da conhecida fábula dos irmãos Grimm.
 
Do Congo, virá a peça “A Carga”. Com direção e interpretação de Faustin Linyekula, a montagem tem traços coreográficos, e o artista também faz uso de textos que abordam situações políticas de seu país de origem. 

 
Questões sobre a opressão vividas pelos negros também tingem o espetáculo Revolting Music, que tem trilha sonora desenvolvida a partir de pesquisa sobre canções de protestos e situações vividas por movimentos estudantis na África do Sul. O espetáculo é assinado pelo músico e performer Neo Muyanga. 

 
Os ingressos para “Natureza Morta”, do grego Dimitris Papaioannou, também podem se esgotar rapidamente, devido ao sucesso do artista em festivais europeus e também pela popularidade dos vídeos que reproduzem trechos de seus espetáculos na internet. Papaioannou tem domínio na criação de imagens em cena que mais parecem pinturas, razão do título de seu espetáculo.
 
Da Alemanha, o festival traz o experimento “100% City”, projeto encabeçado por Helgard Haug, Daniel Wetzel e Stefan Kaegi, da companhia Rimini Protokoll. 

 
O grupo recruta não-atores nas cidades por onde passa. Ao vivo, as pessoas chamadas respondem a uma espécie de pesquisa de opinião -não espere nada convencional. O projeto foi realizado em 23 cidades, incluindo Amsterdã e Tóquio. Na MITsp, o projeto vai se chamar “100% São Paulo”. 
 
A companhia Teatro de Narradores e o grupo Ultralíricos, dirigido por Felipe Hirsch, compõem a representação nacional. O primeiro vai apresentar trabalho desenvolvido junto a haitianos que vivem em São Paulo, “Cidade Vodu”; o segundo encena trechos ou adaptações de textos latino-americanos.
Serviço
MITSP
Quando: 4 a 13 de março.
Quanto: grátis a R$ 20 (à venda a partir de 18/2 pelo ingressorapido.com.br e pelo sescsp.org.br). 
Onde: vários locais (a programação em breve será divulgada no site).

***
Gustavo Fioratti – colaboração para a Folha de S.Paulo.

 
 

Tags

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on email
No data was found

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Categorias

Cadastre-se e receba nossa newsletter com notícias sobre o mundo das cidades e as cidades do mundo.

O São Paulo São é uma plataforma multimídia dedicada a promover a conexão dos moradores de São Paulo com a cidade, e estimular o envolvimento e a ação dos cidadãos com as questões urbanas que impactam o dia a dia de todos.