Mostra de objetos, jóias e esculturas no Museu de Arte Sacra é “oportunidade para silenciar em um mundo cheio de ruídos“

Materiais, em tonalidades claras, selecionados para confecção das peças, como metais brancos, vidros transparentes e espelhos, convidam à uma observação atenta a qual busca induzir . Como um adicional à mostra, estão sendo desenvolvidas ações de “Silêncio Compartilhado” em que a artista compartilha um tempo silencioso com o público, além de uma experiência sensorial do silencio através de um vídeo e de esculturas tácteis.

‘Gota e Palito‘ by Elisa Stecca. Foto: Divulgação.

‘Pingente‘ by Elisa Stecca. Foto: Divulgação.

A essência primária da exposição busca resgatar o aspecto ‘xamânico’ da arte, que sugere um encontro com o sagrado. Silencio propõe uma reflexão individual, “uma ação e também uma não-ação, num mundo onde o ruído é a tônica”, declara a artista.

O gesto construtivo é mínimo, potencializando os materiais e o espaço. É um gesto sem palavras, cujo tema é preponderante na seleção dos materiais que sugerem a composição. Habituada a trabalhar com materiais preciosos, Elisa Stecca escolhe o silêncio como elemento valioso, fundamental, como uma maneira de introspecção e possibilidade de acessar níveis não usuais da percepção e espiritualidade.

‘Entremeada“ by Elisa Stecca. Imagem: Catálogo / Reprodução.‘Tríplice‘ by Elisa Stecca. Imagem: Catálogo / Reprodução.Para Elisa, contemplar o silêncio é vivenciá-lo, aproveitando esse momento para refletir sobre outros assuntos que as vezes, no calor da emoção de alguns acontecimentos, não conseguimos pensar racionalmente. É importante fazer com que as pessoas possam ter contato consigo mesmas através do silencio, possibilitando o encontro com um caminho que remeta a procura por suas vozes interiores baseados em espiritualidade. As ações de Silêncio Compartilhado, parte integrante e essencial da exposição, remetem ao ato criativo de Marcel Duchamp em que a “arte é o trabalho de um artista” e não um espetáculo que a denominação – performance – sugere.

“Proponho um momento de introspecção, de reflexão, de meditação. Um segundo no tempo/espaço, uma oportunidade de acesso ao profundo, ao sagrado,” diz Elisa Stecca

O silencio leva ao sagrado? 

Elisa Stecca responde com exclusividade as perguntas do seu marido, Paulo Tadeu, jornalista, publicitário e publisher da Editora Matrix, a pedido do São Paulo São. Acompanhe:

Elisa Stecca na abertura da mostra Silencio, no Museu de Arte Sacra. Foto: Sonia BaladyPaulo: Ruídos nas ruas, ruídos nas redes sociais, ruídos por todos os lados. Sua exposição é uma forma de questionar o mundo a nossa volta? 

Elisa: Não exatamente. Esse trabalho apresenta uma possibilidade diferente. Uma oportunidade para silenciar em um mundo cheio de ruídos.

Sua arte é moderna, em total contraste às peças seculares do museu onde está exposta. O que isso ensina aos visitantes?

Meu trabalho dá continuidade ao acervo do museu, algo que chamo de “arte-sacra contemporânea”. Minhas peças convidam à introspecção, à reflexão, à transcendência e ao encontro com o divino intrínseco em todos nós, o que é algo que as pessoas buscam eventualmente ao se ajoelharem frente a uma imagem de santo, por exemplo.

Meu desejo maior é acolher aquele que se propuser a silenciar e sentir , dentro da minha acepção de espiritualidade que é o exercício do contentamento, da gratidão e da alegria e, nesse sentido, difere da arte-sacra barroca que busca expiação através da culpa e do sofrimento baseados na profunda e arraigada idéia de pecado.

As formas abstratas das minhas peças também funcionam como um silêncio em meio ao figurativo do museu e assim, fazem música, conversam, sem hierarquia.

Quais os grandes mestres do silêncio que lhe inspiram?

O silêncio que procuro representar plasticamente, não é a ausência de sons, mas, o silêncio que precede o Big-bang, o silêncio do Genesis, o Princípio, o Verbo, cheio de potência e de todas as possibilidades e, nesse sentido, não tenho nenhuma referência. Minha referência como discurso amoroso e simples é o mestre dos mestres, Jesus Cristo e suas palavras ditas e também não ditas.

A exposição se chama “Silencio”, primeira pessoa do singular. Isso está ligado a uma atitude, portanto. Qual ação você busca das pessoas?

Minha intenção genuína é acolher o espectador que se sensibilizar com a proposta de refletir, de conectar-se, de transcender. Assim, a atitude que busco nas pessoas é permitir-se.

O que o trabalho de designer de joias tem a ensinar à artista plástica?

Não me considero uma designer de jóias propriamente dita, à medida que a joalheria para mim é uma linguagem para comunicar uma idéia e não um fim em sí mesma. Acredito que artista-joalheira seja mais adequado, uma vez que meus temas são apoios no corpo e no espaço, materiais, mensagem e conteúdo, geralmente campos da escultura.

Por outro lado, o acabamento primoroso, a técnica refinada, uso de materiais nobres, são fundamentais aqui para realização da idéia de preciosismo, da jóia que somos e da lapidação e polimento que podemos nos dar continuamente.

Dessa forma, a artista e a joalheira se ensinam e aprendem o tempo todo.

Serviço
Catálogo / Reprodução.
Exposição: “Silencio”
Artista: Elisa Stecca.
Curadoria: Paula Alzugaray.
Período: até 25 de junho de 2017.
Local: Museu de Arte Sacra de São Paulo – www.museuartesacra.org.br
Avenida Tiradentes, 676 – Luz, São Paulo.
Tel.: (11) 3326.5393 – agendamento/ educativo para visitas monitoradas.
Horário:Terça a domingo, das 9h às 17h.
Ingresso: R$ 6,00 (estudantes pagam meia); grátis aos sábados.

***
Com informações Silvia Balady Comunicação.

Tags

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on email
No data was found

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Categorias

Cadastre-se e receba nossa newsletter com notícias sobre o mundo das cidades e as cidades do mundo.

O São Paulo São é uma plataforma multimídia dedicada a promover a conexão dos moradores de São Paulo com a cidade, e estimular o envolvimento e a ação dos cidadãos com as questões urbanas que impactam o dia a dia de todos.