Barcelona inaugura sua primeira ‘superquadra“ voltada para pedestres e ciclistas

Como predominavam os meios de transporte sustentáveis, a Prefeitura de Barcelona quis potencializá-los com um novo plano de mobilidade urbana para o período de 2013 a 2018. O objetivo é que, ao final desse ciclo, as caminhadas aumentem aproximadamente 10%, as bicicletas 67% e o transporte público 10%. Em relação ao automóvel particular, a meta e diminuir o uso em 21%. 

Concebido sobre ideais de segurança, sustentabilidade, igualdade e eficiência, o plano prevê a diminuição dos acidentes de trânsito, reduzir a contaminação, garantir o acesso à mobilidade e incorporar novas tecnologias na gestão da mobilidade. 

Para isso, compreende oito eixos de ação, sendo o primeiro deles a organização da cidade em “superquadras”, um projeto que busca diminuir o trânsito nas ruas e que começou a funcionar semana passada no bairro de Poblenoue, entre as ruas Badajoz, Pallars, Llacuna e Tànger.

A proposta agrupa 9 quadras da cidade em uma única superquadra (400 x 400 metros), onde foram implementadas medidas como a criação de calçadas com 2,5 metros de largura, garantindo acesso para pessoas com deficiência. 

Além disso, o projeto eliminou alguns estacionamentos da superfície — 50 dos 700 foram eliminados –, reduziu o limite de velocidade para 10 km/h nas áreas próximas aos espaços peatonais, e desviou o fluxo de veículos para as bordas, liberando o centro para pedestres e ciclistas. No interior da superquadra, os únicos veículos permitidos são os de emergência, os dos moradores e os de carga. 

Imagem: Ayuntamiento de Barcelona.

De acordo com o plano, a implementação das superquadras fará com que quatro pontos centrais fiquem livres de automóveis, totalizando cerca de 8 mil metros quadrados. 

Como ainda não têm um uso determinado, hoje, 12 de setembro, tem início um ciclo de oficinas em que 200 estudantes de arquitetura e moradores da região se juntarão para definir as atividades que acontecerão no local. 

A implementação dessa primeira superquadra teve um custo inicial de 55 mil euros e o plano prevê sua replicação em outros bairros, dentre os quais Horta, Sant Andre, Sant Gervasi e Prosperitat.

 

Imagem: Ayuntamiento de Barcelona.

Deste modo, a cidade poderá aumentar a qualidade de vida através de melhorias na acessibilidade, mais espaços para pedestres, menos contaminação atmosférica e incentivo do uso do espaço da rua por pedestres e ciclistas, não apenas para a circulação de automóveis. 

***
Por Constanza Martínez Gaete e tradução de Romullo Baratto no Arch Daily.

Tags

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on email
No data was found

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Categorias

Cadastre-se e receba nossa newsletter com notícias sobre o mundo das cidades e as cidades do mundo.

O São Paulo São é uma plataforma multimídia dedicada a promover a conexão dos moradores de São Paulo com a cidade, e estimular o envolvimento e a ação dos cidadãos com as questões urbanas que impactam o dia a dia de todos.