Imagina um país onde 100% da energia fornecida é renovável. Na Costa Rica é assim há quase três meses

O país tem sido alimentado por energia hidráulica, geotérmica, solar e eólica. A energia hídrica foi responsável por produzir 80,27% de toda a energia usada no país durante o mês de agosto. Em julho, 59,1% da energia tinha sido produzida por turbinas de vento. As centrais geotérmicas contribuíram com cerca de 12,62%, as turbinas de vento com 7,1% e a energia solar com 0,01%.

Em 2015, a Costa Rica passou 299 dias sem queimar petróleo, carvão ou gás natural, depois de um grande investimento por parte do governo.Embora este feito prove que é possível depender só de energias renováveis em alguns países, isso não quer dizer que seja uma solução global. Pelo menos, não para já.

A Costa Rica tem cerca de 51.000 km2 (Portugal tem aproximadamente 92.000 km2) e é um país relativamente pequeno, com uma população de cerca de 4,9 milhões de pessoas, não necessitando de tanta energia como um país maior e mais populoso. É também um país com recursos naturais favoráveis, como grandes períodos de chuva e uma temperatura de solo bastante alta devido à atividade vulcânica.

Para os bons resultados conseguidos contribui ainda o facto de a Costa Risca ter como principais indústrias o turismo e a agricultura, duas atividades que não necessitam de tanta energia. Ainda este ano será concluída uma central geotérmica que terá a capacidade de gerar 305,5 megawatts, o suficiente para alimentar 525.000 casas.

Com informações do Observador.pt.

Tags

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on email
No data was found

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Categorias

Cadastre-se e receba nossa newsletter com notícias sobre o mundo das cidades e as cidades do mundo.

O São Paulo São é uma plataforma multimídia dedicada a promover a conexão dos moradores de São Paulo com a cidade, e estimular o envolvimento e a ação dos cidadãos com as questões urbanas que impactam o dia a dia de todos.