Mobilidade urbana em transformação

Havia apenas um taxista no ponto, e ele aproveitava a inexistência de passageiros para cochilar. Imediatamente pensei quantos motoristas de aplicativos estavam circulando pela cidade no mesmo instante. Embora a transformação desse segmento seja realidade, muitos aguardam tranquilamente, parados, a chegada dos clientes.

Ainda não sabemos quais mudanças enfrentaremos nos próximos anos no que diz respeito às formas de locomoção nas cidades. Hoje, além dos transportes públicos conhecidos: ônibus, Metrô, Trem, VLT; os privados táxis, bicicletas, automóveis e motos privadas; aplicativos para carros, bikes e patins, e os sistemas de locação de veículos por diária e por hora, outras novidades surgirão para democratizar mais as escolhas de mobilidade, sem deixar de considerar que entre distâncias curtas e médias, andar a pé torna-se cada vez mais comum.

Segundo o projeto 'Bosch Mobility Experience', não dirigir e não ter carros é o futuro da mobilidade. Imagem: Bosch / Divulgação.

Nesse festival de alternativas, todos ganham. Na maior cidade do país embora, no início da novidade alguns conflitos ocorreram, a convivência entre os taxistas e os motoristas de aplicativos está pacificada porque existem clientes para todos, e os equipamentos oferecidos nas malhas administradas pela prefeitura e pelo governo do Estado, exceto nos horários de pico, atendem razoavelmente bem as demandas dos usuários.

Entre os prestadores de serviços dos pontos fixos de táxis demarcados no asfalto e os milhares de motoristas de aplicativos prontos para atender aos clientes no mais variados bairros da cidade, os paulistanos estão aprendendo a circular mais pela cidade, e a fazer usos mesclados das distintas opções de mobilidade, ou não, dependendo da pressa, da importância do compromisso, do recurso disponível e das condições metereológicas.

Trânsito, inundações e quedas de árvores transformam a cidade em um caos em dia de chuva. Foto: Fernanda Carvalho / Fotos Públicas.

No verão, por exemplo, quando São Pedro resolve mandar calor, chuva e vento ao mesmo tempo, o sistema inteiro de mobilidade entra em pânico e o caos se instala na metrópole. Aí, o jeito é ter paciência e sabedoria para lidar com as imprevisíveis forças da natureza e as suas consequências passageiras mas, às vezes, inesquecíveis. Por aqui, fico. Até a próxima.

***
Leno F. Silva é diretor da LENOorb – Negócios para um mundo em transformação e conselheiro do Museu Afro Brasil. Escreve às terças-feiras no São Paulo São.

Tags

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on email
No data was found

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Categorias

Cadastre-se e receba nossa newsletter com notícias sobre o mundo das cidades e as cidades do mundo.

O São Paulo São é uma plataforma multimídia dedicada a promover a conexão dos moradores de São Paulo com a cidade, e estimular o envolvimento e a ação dos cidadãos com as questões urbanas que impactam o dia a dia de todos.