Programa municipal capacita, em direitos humanos, 91 jovens da periferia

Não é um valor expressivo de bolsa ou duração exagerada, mas garanto que isso enrique muito o currículo de vocês, abre portas e vai certamente significar uma entrada diferenciada no mercado de trabalho, pois trata-se de um programa muito respeitado”, afirmou o prefeito.

Além de modalidades de ensino à distância (EAD), os jovens participaram ainda de atividades do programa federal Juventude Viva e da Prefeitura de São Paulo e de encontros semanais para troca e compartilhamento de experiências. Os bolsistas ainda atuaram em seus territórios de origem com lideranças, agentes do governo local, coletivos culturais e outras organizações da sociedade civil para contribuir com a transformação desses bairros.

“A gente discutiu por quatro anos uma cidade diferente, mais humana, que não deixa ninguém para trás, com mobilidade melhor e onde a juventude tenha mais espaços. A gente sabe que ainda falta muito, que a violência é muito pesada e o jovem sofre mais. O jovem negro sofre mais ainda. Para o jovem negro da periferia é mais pesada, e para a mulher negra da periferia, ainda mais, mas a gente sabe que o futuro da cidade está na mão da juventude. Ter qualificação como a nossa, para o trabalho, mas sem perder de vista a visão ética, de direitos humanos e de respeito a todos é muito importante”, afirmou o secretário de Direitos Humanos e Cidadania, Felipe de Paula.No início da ação, foram oferecidas 115 vagas, sendo 60 para mapeamento, diagnóstico territorial e mobilização social, 24 para promoção de comunicação local, 15 para articulação em rede e 16 para fortalecimento da economia solidária e cultura do bairro. Como incentivo para a formação, os jovens recebem bolsa de R$ 1.032.

“Esse certificado que recebemos representa todo o nosso esforço e de todos que participaram, pois resistimos até aqui. Sei que estamos em um momento de muitas incertezas, principalmente econômicas, mas acho que o Bolsa Trabalho deixa para a gente um resgate de a gente conseguir ter força para continuar lutando pelos nossos sonhos e pela nossa sobrevivência, que é o mais difícil atualmente”, disse a jovem Karolina Desireé Rodrigues, 23 anos, moradora do Jabaquara, que recebeu o certificado como representante dos bolsistas ao lado de Alan Cardec dos Santos, 22 anos, morador de Pedreira.

Entre os critérios de seleção, além de residir em bairros com vulnerabilidade social e ter idade entre 15 a 29 anos, pelo menos 50% das vagas foram reservadas para jovens negros e 50% para jovens mulheres. Cerca de 25% dos jovens cumprem ou cumpriram medida socioeducativa.

“Esse certificado, muito mais do que o papel em si, é o simbolismo do trabalho realizado e da articulação que foi feita entre várias secretarias para que isso acontecesse. Essa estratégia de fazer a articulação do Juventude Viva com Direitos Humanos e a nossa secretaria com o Bolsa Trabalho, entendendo-a como um dos instrumentos importantes para que esses jovens pudessem articular projetos e propostas, é muito importante para eles e suas comunidades”, afirmou o secretário de Desenvolvimento, Emprendedorismo e Trabalho, Artur Henrique.

Programas

O programa Juventude Viva é um plano de prevenção contra a violência sofrida pela juventude negra, elaborado pela Secretaria Nacional de Juventude da Secretaria-Geral da Presidência da República e pela Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial da Presidência da República. A ação visa reduzir a vulnerabilidade com estratégias de ampliação de direitos, enfrentamento ao racismo e prevenção da violência, direcionando políticas públicas para os territórios atingidos pelos mais altos índices de mortalidade.

Instituído em 2004 na cidade de São Paulo, o Bolsa Trabalho atinge jovens entre 16 a 29 anos que pertencem a famílias com renda per capita equivalente ou inferior a meio salário mínimo e estejam matriculados na escola ou tenham concluído o Ensino Médio. O programa tem como objetivo estimular a inserção socioeconômica, valorizar as vocações ocupacionais, desenvolver a formação, a experimentação e a habilitação profissional no local de trabalho, além de facilitar a reinserção na vida escolar e a continuidade dos estudos de jovens.

***
Fonte: Secretaria Executiva de Comunicação / Portal da Prefeitura.

Tags

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on email
No data was found

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Categorias

Cadastre-se e receba nossa newsletter com notícias sobre o mundo das cidades e as cidades do mundo.

O São Paulo São é uma plataforma multimídia dedicada a promover a conexão dos moradores de São Paulo com a cidade, e estimular o envolvimento e a ação dos cidadãos com as questões urbanas que impactam o dia a dia de todos.