Nada sobre nós, sem nós

Por Ciça Cordeiro.

O universo da pessoa com deficiência ainda é um tema a ser explorado e conhecido. O assunto ainda gera preconceito e exclusão na sociedade, por falta de conhecimento, medo e insegurança, das pessoas e suas famílias.

Nada sobre nós, sem nós, é o lema adotado pelo movimento das pessoas com deficiência, criado pela ONU em 1981, que afirma que nenhuma decisão que as afete deve ser tomada sem sua plena participação. Sim, a pessoa com deficiência é protagonista.

Hoje, as pessoas com deficiência não ocupam apenas lugares nas plateias, estão nos palcos expressando suas emoções, suas lutas, seus ideais, fazendo-se entender através da arte, para uma população que não imagina e que desconhece suas habilidades.  É na acessibilização das artes que a gente começa a ver o outro. A cultura proporciona que o outro seja visto!

Falar sobre inclusão, é falar sobre transformação, principalmente em nossas atitudes, na forma como agimos e pensamos. Mas, a transformação só acontece quando há conhecimento sobre o assunto. A informação é uma forma de acabar com o capacitismo, preconceito contra pessoas com deficiência.  

 Que tal uma lista com dicas de filmes, séries e livros que você pode assistir e ler para mudar sua maneira de pensar e agir?

Aproveite e compartilhe com seus amigos! 

Lista de Filmes

Coda (2021)
Drama de Siân Heder, que levou três estatuetas do Oscar. Melhor Filme, Ator Coadjuvante (Troy Kotsur) e Roteiro Adaptado, pode ser conferido no streaming. “CODA” é um drama agridoce, que conta os dilemas de uma família com deficiência auditiva que comanda um negócio de pesca.

Ruby (Emilia Jones), única pessoa do clã que escuta, ajuda os pais e o irmão com as atividades do dia a dia. Com o tempo, a garota percebe que tem grande paixão por cantar e seu professor (vivido pelo mexicano Eugenio Derbez) a encoraja a entrar em uma escola de música. Mas, pinta uma dúvida: seguir seu sonho ou continuar ajudando a família, sendo praticamente sua única voz perante um mundo que não se mostra capaz de compreendê-los e aceitá-los?

Nem é preciso dizer que inclusão e representatividade norteiam o drama vencedor do Oscar. Fora Emilia Jones, todo o elenco da família é composto por deficientes auditivos, o que torna a história mais crível. 

Onde assistir: Amazon Prime Video.

Feeling Through [Curta] (2021)
Feeling Through acompanha o jovem Tareek enquanto ele caminha pelas ruas de Nova Iorque depois de uma festa. No caminho, o rapaz encontra um homem cego e surdo com uma placa pedindo ajuda para atravessar a rua. Os dois acabam passando parte da noite juntos e criando uma inesperada amizade. 

Onde assistir: Youtube.

Fuja (2020)
Na trama de Fuja, Sarah Paulson vive uma mãe superprotetora de sua filha cadeirante e dona de diversos problemas de saúde, Chloe. A jovem, que é a verdadeira protagonista do longa, é interpretada pela estreante Kiera Allen. O que muitos podem não saber é que Allen não está interpretando uma cadeirante, ela é uma cadeirante de verdade na vida real. Ela vive com esta condição desde 2014, e para o papel os produtores decidiram escalar uma atriz que vivesse tal realidade, coisa que segundo os próprios, Hollywood raramente faz.

Onde assistir: Netflix.

Crip Camp: Revolução pela Inclusão [documentário] (2020)
Ideal para quem gosta de histórias reais, Crip Camp foi indicado ao Oscar de Melhor Documentário. Por meio de imagens de arquivo e entrevistas, o filme retrata os acontecimentos vividos no início dos anos 70 no acampamento de verão Jened. Destinado a adolescentes e adultos com deficiência, o lugar os tratava de maneira livre e empoderadora, despertando um sentimento de mudança e revolução entre os campistas. 

Onde assistir: Netflix.

Sound of Metal (2019) 
Indicado a Melhor Filme do Oscar 2021, Sound of Metal foi lançado no Festival de Cinema de Toronto. Na trama, um baterista de heavy metal que sofreu uma súbita perda auditiva descobre que sua condição só tende a piorar. Apoiado por sua namorada, ele procura ajuda em uma comunidade para surdos, tentando aprender a viver em um mundo desconhecido. 

Onde assistir: Amazon Prime.

Milagre na cela 7 (2019)
O filme turco sobre deficiência mental que chegou à Netflix conquistou um grande público, é um daqueles dramas feitos para provocar lágrimas até nas pessoas menos sensíveis a esses conteúdos. Conta a história de Memo (interpretado por Aras Bulut Iynemli), um pai que sofre de deficiência intelectual e é separado de sua filha ao ser acusado de um crime que não cometeu. A produção é um remake de um longa sul-coreano aclamado de 2013. Mas ao contrário da sua versão original, que se encaixava em um gênero de drama e comédia, o filme se baseia mais no fator emocional do que em risadas. Memo passa a contar com a ajuda de seus companheiros de cela e de quem também está do outro lado das grades para provar sua inocência ao ser preso pela morte da filha de um comandante. 

Onde assistir: Netflix.

Extraordinário (2017) 
O período escolar nunca é fácil, seja pelas dificuldades de aprendizado junto à pressão e medo de não ser aprovado ou mesmo pelo convívio com completos desconhecidos, sem o ambiente familiar. É neste contexto que Auggie Pullman (Jacob Tremblay), um garoto que nasceu com uma deformação facial, frequenta a escola pela primeira vez. Por conta da deformação, Auggie teve que passar por 27 cirurgias plásticas, e aos 10 anos, enfrenta novos desafios. Matriculado no quinto ano, tenta se adaptar à nova realidade escolar com o apoio dos pais: Isabel Pullman (Julia Roberts) e Nate Pullman (Owen Wilson). Nesse filme infantil sobre deficiência, o garoto é observado e avaliado por todos à sua volta constantemente pela sua aparência diferente. 

Onde assistir: YouTube e sites on-line.

Como eu era antes de você (2016)
A adaptação do best-seller de Jojo Moyes conta a emocionante história do milionário Will Traynor (Sam Claflin), que leva uma vida repleta de viagens e esportes radicais, até sofrer um acidente de trânsito e se tornar tetraplégico. A situação o torna depressivo e debochado, para a preocupação de seus pais (Janet McTeer e Charles Dance). Neste contexto, Louisa Clark (interpretada por Emilia Clarke) é contratada para cuidar de Will. De origem simples, com dificuldades financeiras e sem grandes sonhos, ela faz o possível para melhorar o humor de Will, que desde o começo, não parece muito satisfeito com a presença da jovem. 

Onde assistir: Netflix.

O Filho Eterno (2016)
Filme brasileiro, O Filho Eterno é baseado em um livro homônimo. A produção segue os passos de um escritor que vê sua vida mudar quando seu filho nasce com Síndrome de Down. A partir daí dá-se início a uma longa jornada para que o homem entenda e aceite a condição do garoto, entendendo seu papel para ajudá-lo. 

Onde assistir: Netflix.

Um momento pode mudar tudo (2015)
O filme conta a história de Kate (Hilary Swank), uma confiante mulher e esposa, bem sucedida e admirada por todos que é surpreendida ao ser diagnosticada com ELA (Esclerose Lateral Amiotrófica). Kate, ao precisar de cuidados, decide contratar Bec, uma estudante e aspirante a cantora de rock que aceita a proposta de emprego desesperadamente e aos poucos, aprende a aproveitar mais o mundo, se afastando da antiga vida de festas e descompromissos. Enquanto o casamento de Kate e Evan, seu marido, se deteriora, ela e Bec constroem um laço não convencional e dão início a uma grande amizade. Aparentemente com uma personagem cadeirante que chega sorrateiramente às salas de cinemas sem grande divulgação, mas promete surpreender, emocionar e divertir todos que apostarem nesse longa. 

Onde assistir: Netflix e YouTube.

Hoje eu quero voltar sozinho (2014)
Leonardo (interpretado por Ghilherme Lobo), um adolescente cego, tenta lidar com a mãe superprotetora ao mesmo tempo em que busca sua independência em um tradicional colégio do Rio de Janeiro. Com algumas dificuldades de aceitação pela turma, Leo encontra apoio em um estudante novo na cidade, Gabriel (Fabio Audi) e novos sentimentos começam a surgir entre os dois, fazendo com que ambos descubram mais sobre si mesmos e sobre suas sexualidades. O filme sobre deficiência visual aborda duas importantes pautas, a inclusão e a homossexualidade, evidenciando a importância de construir relações com respeito, apoio e diálogo. 

Onde assistir: Netflix.

A teoria de tudo (2014)
Stephen Hawking, uma das mentes mais brilhantes do mundo, teve sua vida pessoal exposta de forma sensível no filme A Teoria de Tudo. A obra retrata como o jovem astrofísico fez descobertas importantes para o mundo científico, mesmo enquanto lidava com uma doença motora degenerativa, que o deixou sem movimentos. À época de seu diagnóstico de ELA (Esclerose Lateral Amiotrófica), aos 21 anos, Hawking (interpretado por Eddie Redmayne) recebeu a notícia de que não passaria dos 23. Vivendo até os 76 anos, desafiou não só a doença, mas a própria ciência e nada o impediu de se tornar um dos maiores cientistas da atualidade. Seu casamento de 25 anos com Jane Wide (Felicity Jones) o ajudou a sobreviver e a contribuir com a astrofísica. 

Onde assistir: Netflix.

Colegas (2012) 
Aninha, Stalone e Márcio protagonizam uma história de amizade e sonhos. Os três fogem do instituto em que viviam para perseguirem seus respectivos desejos de casar, ver o mar e voar. Ao longo da trama, os três trilham um percurso de aventura, contribuindo para que a Síndrome de Down seja retratada dentro de um contexto de autonomia, superação e aprendizagem. 

Onde assistir: Sites online.

Intocáveis (2011)
Esse filme de cadeirante é um dos melhores sobre acessibilidade. Ele conta a história de Philippe (François Cluzet), um milionário que, após sofrer um grave acidente, fica tetraplégico. Ao precisar contratar um acompanhante, sua história cruza com a de Driss (Omar Sy), jovem de baixa renda e sem nenhuma experiência na função de cuidador. O percurso trilhado pelos dois é de aprendizagem mútua. Driss contribui para a recuperação da identidade e autoestima de Philippe a partir de um trabalho que retrata o cuidado com as deficiências, mas também tem a aprender e ensinar muito nessa relação antes profissional que vira uma verdadeira amizade. Vale ressaltar que Intocáveis foi o filme mais visto na França em 2011 e o valor arrecadado com a venda dos direitos de adaptação do livro original, foi doado à uma associação que atende pessoas com deficiência física. 

Onde assistir: Telecine Play e sites on-line.

O escafandro e a borboleta (2007)
Jean-Dominique Bauby (Mathieu Amalric) é editor da revista Elle e um apaixonado pela vida, mas aos 43 anos, sofre um derrame cerebral que o deixa paralisado e dependente. Vinte dias depois, ele acorda ainda lúcido, mas se sente frustrado ao perceber que sofre de uma rara paralisia: o único movimento que lhe resta no corpo é o do olho esquerdo. Bauby se recusa a aceitar seu destino. Com isso, Jean-Dominique aprende a se comunicar piscando letras do alfabeto, forma palavras, frases e até parágrafos com ajuda de suas enfermeiras. Através de sua imaginação, cria um mundo próprio e escreve um livro de memórias. 

Onde assistir: YouTube.

Meu nome é Rádio (2003)
Em uma cidade racialmente dividida dos Estados Unidos nos anos 1970, o treinador Jones encontra um estudante com dificuldades de aprendizagem chamado Rádio e acaba fazendo amizade com ele. Logo, Rádio se torna seu fiel assistente, e o diretor Daniels observa que a autoconfiança do jovem aumentou. Porém, as coisas começam a piorar quando Jones recebe reclamações dos torcedores, que sentem que a sua devoção por Rádio está atrapalhando a sua busca por uma vitória no campeonato. 

Onde assistir: Youtube.

Lista de Séries

Atypical [série – 4 temporadas] (2017 – 2021) 
Produção original da Netflix, Atypical foi encerrada após sua 4ª temporada. A série gira em torno de um jovem do Ensino Médio que está dentro do espectro do autismo e que enfrenta dificuldades ao dar seus primeiros passos em direção a um relacionamento amoroso, passando por uma jornada de autodescobertas 

Onde assistir: Netflix.

Special [série – 2 temporadas] (2019 – 2021) 
Título que não podia faltar nessa lista de séries e filmes sobre inclusão, Special é uma série escrita, produzida e estrelada por Ryan O’Connell. A comédia acompanha um jovem gay com paralisia cerebral, que após contar uma mentira no trabalho decide que é hora de mudar de vida, se tornando independente e buscando uma vida amorosa. 

Onde assistir: Netflix.

Crisálida [série – 2 temporadas] (2020) 
Conheça histórias de jovens surdos que enfrentam os desafios de uma sociedade desenhada apenas para ouvintes. Ao cruzar narrativas e personagens, seu objetivo é evidenciar como o contato com as Libras é o agente transformador em um universo visual. 

Onde assistir: Netflix.

Lista de Livros

Diversidade e inclusão são temas que vêm ganhando evidência, sendo cada vez mais necessário refletir, debater e gerar conteúdo de qualidade e responsabilidade.

A obra tem este propósito, abordando temas transversais como cultura, liderança, comunicação inclusiva, o papel dos profissionais, dos grupos de afinidade, vieses inconscientes, representatividade, interseccionalidade e tendências.

Fazem parte dessa obra 44 autores renomados, que atuam e vivem a diversidade no seu dia a dia pela representatividade e lugar de fala que tem em cada dimensão, e que trazem uma visão diferenciada em temas como: gênero, gerações, LGBTQIAP+, pessoas com deficiência, diversidade religiosa, corpos, raça e etnia, refugiados e egressos.

Enquanto você crescia – Linhas do amor de mãe
Autora: Celia Tamanini – Kotter Editorial

A história real relatada mostra o quão imensurável é o amor de mãe em uma luta incansável para proporcionar uma vida com o mínimo de limitações ao seu filho com Síndrome de Pfeiffer, uma comorbidade totalmente nova e pouco conhecida naquele momento para ela, até mesmo para a medicina.

Fissurada pela vida (Da fenda labial à tela da TV)
Autora: Camila Rocha – Editora Cinco Gatas e Metamorfose
Aos 43 anos a jornalista Camila cria livro com detalhes de sua história para impactar a vida de fissurados. As fissuras labiopalatinas são malformações congênitas mais comuns que afetam a face do ser humano, atingindo uma criança a cada 650 nascidas, de acordo com a literatura especializada. A história da Carol, personagem no livro, é um pouco a da Camila. Só um pouco. Como toda ficção, Camila costurou a realidade com pinceladas generosas de invenção. Mas manteve, sempre, uma delicadeza e um humor que são raros.

Perdi uma parte de mim e renasci
Autora: Paola Antonini – Globo Livros
Após ser atropelada na porta de casa, aos vinte anos, e ter a perna amputada, a modelo e apresentadora Paola Antonini passou a ser uma voz ativa ao mostrar seu dia a dia nas redes sociais e conquistou milhões de seguidores. Em dezembro de 2020, fundou o Instituto Paola Antonini, que atua proporcionando a reabilitação de pessoas com deficiência física por meio de doação de próteses, órteses, cadeiras de rodas, acessórios e também oferece assistência psicológica e fisioterapia aos pacientes.

Diversos
Fazendo um amplo panorama da diversidade brasileira – étnica, religiosa, física, geracional e de gênero –, o livro Diversos traça o perfil de 31 entrevistados, entre eles pessoas com deficiência física, nanismo, Síndrome de Down. Vale conhecer a história e trajetórias dessas pessoas.

Como lidar com mentes a mil por hora
Autor: Dr. Clay Brites – Editora Gente

Entenda o TDAH de uma vez por todas e descubra como mentes hiperativas e desatentas podem ter uma vida bem-sucedida.

As pessoas com Deficiência na História do Brasil – Uma trajetória de Silêncios e gritos
Autor: Emílio Figueira – Editora Wak
Segundo o autor, o livro é base de uma Historiografia especializada em assuntos da pessoa com deficiência no Brasil. “O passado nunca se apresenta por inteiro, mas nos oferece algumas pistas que podemos seguir e reconstituir algumas de suas partes”.

Crianças de Asperger: As origens do autismo na Viena nazista
Autora: Edith Sheffer – Editora Record
Em Crianças de Asperger, a premiada historiadora Edith Sheffer mostra que Hans Asperger, até então celebrado pelo pioneirismo no estudo do autismo e da síndrome que leva seu nome, não apenas esteve envolvido nas políticas raciais do Terceiro Reich de Hitler como foi cúmplice no assassinato de crianças. Uma história abrangente das ligações entre o autismo e o nazismo, e de como os diagnósticos refletem os valores, as preocupações e as esperanças de uma sociedade.

Tags

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on email
Ciça Cordeiro
Ciça Cordeiro é jornalista, com MBA em Gestão Pública e Direitos Humanos. É Coordenadora de Comunicação na Talento Incluir. Foi Coordenadora de Comunicação na Secretaria Municipal da Pessoa com Deficiência em SP, autora do Guia de Comunicação e Eventos Acessíveis e organizadora e curadora do Festival Sem Barreiras da Prefeitura de São Paulo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Categorias

Cadastre-se e receba nossa newsletter com notícias sobre o mundo das cidades e as cidades do mundo.

O São Paulo São é uma plataforma multimídia dedicada a promover a conexão dos moradores de São Paulo com a cidade, e estimular o envolvimento e a ação dos cidadãos com as questões urbanas que impactam o dia a dia de todos.