Prefeitura anuncia início da revitalização do Arouche que será inspirada em boulevares parisienses

O custo total da obra, em todas as suas etapas, é de R$ 3,8 milhões e já foram arrecadados R$ 2,3 milhões. “Iniciamos essa primeira etapa e, para a segunda, ficam faltando R$ 1,5 milhão que estamos buscando junto à iniciativa privada para poder formar o mercado de flores”, disse o prefeito Bruno Covas (PSDB).

A ação conta com a parceria da Associação Viva o Centro, que recebeu as doações dos patrocinadores e irá administrar todas as etapas do projeto com a supervisão da Subprefeitura Sé e da SP Obras.

A iniciativa conta com o apoio da Câmara de Comércio França-Brasil, que fez a captação de recursos junto a empresários. As obras da primeira etapa devem ser concluídas em quatro meses.

O projeto foi desenvolvido pela empresa Egis e prevê a pavimentação e nivelamento do passeio do largo e instalação de novo mobiliário urbano (bancos, papeleiras, paraciclos, bebedouros, balizadores e guarda-corpos).

A proposta é a criação de um grande boulevard de uso público, onde o espaço fica destinado preferencialmente para os pedestres, com uso restrito aos automóveis e veículos de serviço.

Imagem: Editoria de Arte / Estadão.

As intervenções visam a valorização do desenho histórico da região e o projeto busca dar uma nova opção aos frequentadores do Largo do Arouche, com um espaço requalificado, contemporâneo e que mantenha seu traçado original.

O espaço também contará com mais postes de iluminação e quiosques para sanitários, além de três bases fixas, uma para o policiamento, outra para a comunidade LGBT e uma terceira para os cuidadores da praça.

A última reforma no local foi em 2013, com restauração do calçamento, pintura e novo gramado. Imagem: Divulgação.

O secretário Municipal de Obras, Vitor Aly, destacou que uma das propostas é a criação de um grande boulevard de uso público. Segundo ele, a velocidade permitida na área será reduzida. 

“A sacada é fazer um traffic calming (tranquilidade do tráfego) como tem nas ruas da Champs-Élysées em Paris, priorizando os pedestres, nivelando o piso do local e tendo um trânsito em única faixa com velocidade reduzida”, disse o secretário. 

A proposta segue o modelo “traffic calming”, semelhante ao que já existe na Rua Avanhandava e na Praça do Patriarca. Imagem: Divulgação.

“Estamos respeitando quem usa a praça. Respeitando também as ações do tombamento na parte geométrica que reproduzirá espaços de Paris”, disse Covas. A segunda etapa, orçada em R$ 1,5 milhão, conta com revitalização do mercado das flores. 

O empresário Marcos Alexandre, que mora no bairro, destacou que a obra vai revigorar o comércio e atrairá mais público. “O largo do Arouche sempre foi um oásis do centro de São Paulo e estamos recebendo um presente da comunidade francesa.”  

O espaço ficará destinado preferencialmente para os pedestres, com uso restrito aos automóveis e veículos de serviço. Imagem: Divulgação. Wemerson Alves Lima, do Conselho Estadual de Políticas LGBT, disse que é preciso preservar o espaço para a diversidade. “A nossa maior preocupação é que, além de ser uma praça, é um núcleo de resistência LGBT que ocupa o espaço para garantir seus direitos.”

***
Da Redação com informações da Associação Viva o Centro.

Tags

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on email
No data was found

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Categorias

Cadastre-se e receba nossa newsletter com notícias sobre o mundo das cidades e as cidades do mundo.

O São Paulo São é uma plataforma multimídia dedicada a promover a conexão dos moradores de São Paulo com a cidade, e estimular o envolvimento e a ação dos cidadãos com as questões urbanas que impactam o dia a dia de todos.