Sabiá ‘paulistano’ é estressado e sofre de insônia

Considerada a ave­ símbolo de São Paulo desde 1966, o sabiá-­laranjeira tem experimentado agruras antes restritas aos seres humanos. De acordo com recente estudo, assim como os humanos, os sabiás paulistanos também andam estressados com o trânsito – e fazendo hora extra. Esta é a conclusão do Instituto Passarinhar, que desde 2013 tem coletado, por meio de pesquisa colaborativa, informações sobre horário de início e término do canto do sabiá em diversos pontos do País. E, acredite, em São Paulo o bicho sofre de insônia: começa a cantar cinco horas antes do que seus parentes do interior; e só para a cantoria quatro horas mais tarde do que o fim do expediente dos que vivem em outras localidades.
Pesquisa

Criado em 2013, o projeto A Hora do Sabiá segue no ar, colhendo informações de todas as partes do País. Segundo Von Matter, esta é a época do ano em que a maior parte dos dados chegam – porque na primavera, época de acasalamento dos sabiás, o bicho canta mais. Até agora, o Instituto Passarinhar já coletou mais de 9 mil registros – 1,9 mil da cidade de São Paulo – sobre o comportamento do sabiá.

Von Matter diz que a maior preocupação é como essa população paulistana de sabiás está passando por uma espécie de “seleção natural artificializada”. “Essa ‘insônia’ afeta a população inteira, pois essas características da ave estão sendo selecionadas de geração para geração. Em um efeito cascata, pode haver queda populacional, morte dos bichos… Em ecologia, tudo está conectado”, afirma. “De modo pontual, isso pode trazer danos à saúde dos exemplares, afetando a longevidade e a reprodução.” 
Para o engenheiro e ornitólogo Johan Dalgas Frisch, presidente da Associação de Preservação da Vida Selvagem, o comportamento dos sabiás paulistanos lembra o dos rouxinóis na Europa, que também andam assobiando na escuridão da madrugada. “Este comportamento é porque o pássaro precisa ensinar seus filhotes recém­nascidos a cantar a ‘sua música’. E nestas horas escuras da manhã, os maiores predadores de filhotes de sabiá – tucanos, gralhas, etc. – estão em profundo sono”, explica Frisch.

Frisch tem o sabiá-­laranjeira no cerne de sua própria história pessoal – não à toa, o toque de seu celular é o canto do passarinho. Ele encabeçou a campanha que deu ao sabiá o título de avesímbolo do Estado, em 1966. Isto porque, naqueles anos 1960, incomodado com o número cada vez menor de aves que podiam ser avistadas na cidade de São Paulo, ele foi ao rádio e à televisão pedindo que as pessoas plantassem mais árvores frutíferas – então lançou o sabiá como candidato a ocupar o posto de símbolo paulista.

Hoje, estima­-se que 285 espécies de aves vivam em São Paulo – preferem os parques, é claro, mas também podem ser flagradas descansando nos fios elétricos dos postes.

***

Edison Veiga em seu blog São Paulo no Estadão.

Tags

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on email
No data was found

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Categorias

Cadastre-se e receba nossa newsletter com notícias sobre o mundo das cidades e as cidades do mundo.

O São Paulo São é uma plataforma multimídia dedicada a promover a conexão dos moradores de São Paulo com a cidade, e estimular o envolvimento e a ação dos cidadãos com as questões urbanas que impactam o dia a dia de todos.