São Paulo em flor

Sim, resedás são muito sofisticados. Diferentemente de outras espécies encontradas nas calçadas de São Paulo, eles não possuem raízes agressivas e têm um tronco muito singelo, liso e marmorizado, que mistura tons claros de cinzas e marrons – tons sempre em harmonia com os de suas flores. Ao mesmo tempo, em oposição à sua imagem de fragilidade, os resedás são muito resistentes à poluição e à frequente alternância entre sol forte e chuvas intensas, típica do nosso verão.

O porte médio de um resedá não tem a imponência de um ipê, nem sua copa é frondosa como a do flamboyant; mas sendo uma das poucas espécies a florir nesta época do ano na cidade, ele reina absoluto em sua bela e discreta elegância. Na complexidade da metrópole, um menos que é mais.

Resedá (Lagerstroemia Indica) e suas cores. Foto: Reprodução.

Por curiosidade, decidi pesquisar a origem dessa pequena árvore tão organicamente inserida em nossa paisagem, e, leiga que sou, fiquei surpresa ao descobrir que o resedá é uma espécie exótica (sua origem é asiática). Mais surpresa ainda, no entanto, fiquei ao saber que 80% das árvores e plantas de São Paulo vieram de outros estados ou países. Das dez árvores mais comuns na cidade, apenas uma – o jerivá – é nativa de nossa região. A tipuana veio da Bolívia; a sibipiruna, da Mata Atlântica do Rio de Janeiro; o pau-ferro, do Nordeste do Brasil; e o jacarandá-mimoso, da Argentina. Até a azaléia, flor considerada símbolo da cidade, tem origem na China e no Japão.

Passado o espanto do primeiro momento, essa heterogeneidade no paisagismo da cidade me pareceu absolutamente natural – ora, sendo São Paulo composta por migrantes e imigrantes de todas as partes Brasil e do mundo, por quê seria diferente com suas árvores e flores?

80% das árvores e plantas de São Paulo vieram de outros estados ou países. Foto: Reprodução.

Acho que nenhuma outra composição paisagística traduziria tão bem a mistura de raças, cores, crenças e culturas presente em nossa população. Na verdade, essa multiplicidade de espécies de plantas, e sua variedade de cores, formas, origens, perfumes, tamanhos e épocas de floração, só reitera a natureza de São Paulo: uma cidade viva, em constante mutação, que todos os dias morre, germina, renasce e floresce, para então morrer de novo – e assim eternamente persistir, cada vez mais bela e mais forte.

Ps. Com alguns dias de atraso, esta é minha singela homenagem à nossa cidade por seu 465º aniversário.

***
Valéria Midena, arquiteta por formação, designer por opção e esteta por devoção, escreve quinzenalmente no São Paulo São. Ela é autora e editora do site SobreTodasAsCoisas, produtora de conteúdo e redatora colaboradora do MaturityNow.

Tags

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on email
No data was found

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Categorias

Cadastre-se e receba nossa newsletter com notícias sobre o mundo das cidades e as cidades do mundo.

O São Paulo São é uma plataforma multimídia dedicada a promover a conexão dos moradores de São Paulo com a cidade, e estimular o envolvimento e a ação dos cidadãos com as questões urbanas que impactam o dia a dia de todos.